Busca avançada
Ano de início
Entree

A natureza, a razão e a ciência do homem: edição dos estudos de anatomia de Leonardo da Vinci

Resumo

O projeto tem por objetivo publicar um catálogo completo dos estudos de anatomia de Leonardo da Vinci e um livro de divulgação, assim como estabelecer um núcleo de pesquisa a respeito da filosofia da Renascença na Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Unifesp. Propõe-se um estudo aprofundado inédito a respeito das distinções "arte" e "ciência" e a classificação dos saberes da Renascença, de modo a entender a posição de Leonardo da Vinci na cultura daquele período, comparando-o com outros anatomistas e pintores particularmente em relação a seus termos de referência e posição de suas artes e ciências.O Renascimento foi um período marcado pela tradição aristotélica. Benedetto Varchi, em suas Duas lições sobre a pintura e escultura (1546), menciona que ciência "não é outra coisa que o conhecimento das coisas universais, necessárias e, consequentemente, eternas, tidas mediante demonstração", e arte "é um hábito de fazer com verdadeira razão", seguindo assim as definições da Ética a Nicômaco. Franciscus Toletus, no livro Comentários com questões sobre a física de Aristóteles (1574), afirma que filosofia era qualquer saber organizado por princípios, e divide a filosofia em especulativa, prática e produtiva, seguindo assim a classificação que está no início do livro sexto da Metafísica. Entretanto, ao invés do valor maior dado à vita contemplativa na Antiguidade, ainda presente na Idade Média, os homens da Renascença deram novos valores à vita activa. Alguns artífices começaram a aplicar ciências em suas artes, como no caso de Filippo Brunelleschi ao aplicar a geometria na pintura, inventando assim a perspectiva para uso dos artífices. Coube ao humanista e arquiteto Leon Battista Alberti sistematizá-la no tratado Da pintura (1435). Alberti deixa claro seu interesse estava nas "coisas postas ao ver", mas não no ponto dos geômetras, aceitando assim a distinção tradicional entre arte e ciência. Alberti também aplica outras ciências (óptica e anatomia) e outras artes (retórica e poética) à arte da pintura. Diferentemente dos artífices iletrados, o pintor imaginado por Alberti era um tipo de letrado que pintava a partir do conhecimento de certos princípios e sabia falar a respeito deles. Outros tratadistas, como Lorenzo Ghiberti, Francesco di Giorgio Martini and Piero della Francesca, tinham por objetivo elevar o estatuto de conhecimento de suas artes e sua própria posição social, mas nenhum deles tentou identificar artes e ciências. Os sentidos da tradição eram claros, e as artes ainda eram secundárias em relação às ciências.Leonardo da Vinci tentou superar o contexto de aplicação dos artífices e unir efetivamente artes e ciências. No caso da anatomia, o artífice-anatomista tinha de saber anatomizar, assim como tinha de ter "o bom desenho, a perspectiva, a ordem das demonstrações geométricas e a ordem dos cálculos das forças e virtudes dos músculos". Tendo isso, ele visava "figurar a causa dos movimentos de qualquer membro". Em outras palavras, o desenho de Leonardo da Vinci era informado por ciências de modo inédito, de modo que ao desenhar ele expressava concepções da ciência natural de sua época, especialmente a anatomia do homem. Assim, ele unia de forma inédita ciências e artes. Entretanto, o contexto da época, que distinguia claramente arte e ciência, impedia tal união, fazendo Leonardo da Vinci sem seguidores diretos como anatomista. Ele tentou um operação semelhante na pintura, mas aqui ele também não teve seguidores. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
Entre la cátedra y el taller 
Entre a cátedra e o ateliê 
Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
PEIRUQUE KICKHOFEL, EDUARDO HENRIQUE. Renaissance natural philosophy, brain, and epilepsy (and some ideas about science). Epilepsy & Behavior, v. 121, n. B AUG 2021. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.