Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da toxicidade por métodos alternativos in vitro de óleos essenciais da Pimenta pseudocaryophyllus, da Drimys brasiliensis e da Minthostachys setosa

Processo: 11/03822-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2012 - 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Telma Mary Kaneko
Beneficiário:Telma Mary Kaneko
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Monica Beatriz Mathor ; Patricia Santos Lopes ; Paulo Roberto Hrihorowitsch Moreno
Assunto(s):Óleos essenciais  Cosméticos  Citotoxicidade  Genotoxicidade  Dermatite fototóxica 

Resumo

Os óleos essenciais apresentam na sua composição substâncias aromáticas que possibilitam largo espectro de atividades farmacológicas, tornando-os candidatos à utilização em formulações cosméticas e farmacêuticas. Entretanto, devem ser avaliados quanto a sua eficácia e segurança, por meio de testes farmacológicos e toxicológicos. Atualmente, os testes toxicológicos in vitro são reivindicados pelas comunidades científicas e associações protetoras de animais, devido à possibilidade do maior número de réplicas frente aos ensaios in vivo. Centros internacionais de Pesquisa como European Centre for Validation of Alternative Methods (ECVAM), The European Cosmetics Association (COLIPA), The Personal Care Products Council (CTFA), Interagency Coordinating Committee on the Validation of Alternative Methods (ICCVAM) e o Japanese Center for the Validation of Alternative Methods (JaCVAM) recomendam a utilização de métodos in vitro validados, pois estes apresentam resultados robustos e confiáveis. Com essa diretriz, o projeto visa avaliar a citotoxicidade, fototoxicidade e potencial gentóxico dos óleos essenciais, ainda não analisados, como a Pimenta pseudocaryophyllus, Drimys brasiliensi, e a Minthostachys setosa, provenientes de plantas da flora latino-americana. No teste de citotoxicidade com MTS serão determinadas a IC10 (concentração que inibe 10% de células desafiadas) e IC50 (concentração que inibe 50% de células desafiadas) que significam, respectivamente, à concentração máxima não tóxica e ao potencial citotóxico das amostras. A fototoxicidade pelo método 3T3 NRU (Neutro Red uptake) indicará viabilidade das células em contato com as amostras na presença e ausência de luz, conferindo o Fator de Foto-Irritação (PIF) e o Foto-Efeito Médio (MPE). No teste do micronúcleo in vitro (MNvit), haverá a determinação do potencial genotóxico das amostras frente à formação de micronúcleos, que serão avaliados por meio do Índice de Proliferação do Bloqueio da Citocinese (CBPI) e do Índice de Replicação (RI). (AU)