Busca avançada
Ano de início
Entree

Uma abordagem multidisciplinar para entender as relações hídricas e a sinalização dos citros sob déficit hídrico

Processo: 11/22383-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2012 - 30 de novembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Rafael Vasconcelos Ribeiro
Beneficiário:Rafael Vasconcelos Ribeiro
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados: Adriana Hissae Hayashi ; Eduardo Caruso Machado ; Erick Espinoza Nuñez
Assunto(s):Fisiologia vegetal  Citricultura  Anatomia vegetal  Troca gasosa  Fotossíntese  Porta-enxertos  Secas 

Resumo

As variações climáticas provocarão secas em áreas cultivadas, diminuindo a produtividade das plantas e comprometendo a segurança alimentar de milhões de pessoas. Pesquisas direcionadas a entender a fisiologia das plantas sob deficiência hídrica serão de utilidade para seleção de materiais genéticos tolerantes à seca e para guiar as pesquisas com plantas transgênicas. No início da deficiência hídrica no solo, as raízes das plantas produzem sinais que induzem o fechamento estomático, evitando perda excessiva de água. O estudo da sinalização constitui assim uma das áreas mais promissoras no uso eficiente da água. A pesquisa tem por objetivo avaliar a participação dos sinais químicos e hidráulicos na tolerância à seca de dois porta-enxertos cítricos. Dois experimentos serão realizados: no primeiro, plantas francas de laranjeira 'Valência', limoeiro 'Cravo' e citrumeleiro 'Swingle' serão cultivadas em vasos, com o sistema radicular dividido em duas frações, com uma das frações sendo submetida à deficiência hídrica e a outra permanecendo bem hidratada; no segundo experimento, serão formadas por subenxertia plantas de laranjeira 'Valência' sobre dois porta-enxertos (limoeiro 'Cravo' e citrumeleiro 'Swingle'), permitindo assim manter a deficiência hídrica em um porta-enxerto de cada vez. Avaliar-se-á as relações hídricas, trocas gasosas, condutividade hidráulica da planta, crescimento, concentração de ABA no xilema e na folha, pH do xilema, fluxo de seiva, atividade de aquaporinas, resistência à cavitação, além da realização dos estudos anatômicos da folha e da raiz a fim de fornecer subsídios para o melhor entendimento das estratégias de sobrevivência das plantas sob condições de déficit hídrico. (AU)