Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo de espécies nativas do cerrado como fonte de recursos para superação da fitotoxicidade agrícola ao Al3+

Processo: 12/01351-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2012 - 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Gustavo Habermann
Beneficiário:Gustavo Habermann
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Pesq. associados:Alessandra Ike Coan ; Mary Rosa Rodrigues de Marchi
Assunto(s):Nutrição vegetal  Mineralogia do solo  Alumínio  Fotossíntese  Citricultura 

Resumo

Todos os anos, a agropecuária gasta milhões de dólares com calagem e correções de pH em solos ácidos e álicos de áreas agricultáveis, possibilitando ao Brasil manter-se entre os principais produtores do setor. Dentre essas áreas, destaca-se parte da região sudeste, originalmente ocupada pela borda sul da vegetação de Cerrado, as fronteiras agrícolas do Brasil Central, que eram ocupadas integralmente pelo Cerrado, e as "atuais" fronteiras agrícolas, que estão se expandindo pela destruição do Cerrado no Brasil Central, avançando ainda pelo leste e norte. Durante décadas as espécies do Cerrado foram negligenciadas e substituídas pela agricultura e, no centro, norte e noroeste do estado de São Paulo e no sul e sudoeste do estado de Minas Gerais, pelos citros. Não se considerou, naqueles desbravamentos, a adaptação das espécies nativas aos solos ácidos, pobres e álicos. Elegemos uma espécie nativa do Cerrado, acumuladora de alumínio (Styrax camporum) e a laranjeira-doce (Citrus sinensis L. Osbeck), enxertada em porta-enxerto sensível ao alumínio (Al3+), o limoeiro (Citrus limonia cv. 'Cravo') e em porta-enxerto tolerante ao Al3+, a tangerineira 'Sunki' (Citrus sunki). Estudaremos, sob concentrações crescentes de Al3+ (0, 10, 20, 30 e 50 mg L-1) em solução nutritiva, o acúmulo de Al3+ nos órgãos desses genótipos e mediremos as trocas gasosas, o desempenho fotoquímico da clorofila na folha e, nas raízes, a concentração do ácido indol-3-acético (IAA) e do etileno (Et), tudo isso em resposta à perturbação no ambiente radicular. Partiremos do pressuposto de que o Al3+ é elemento essencial à S. camporum. Hipotetizamos que concentrações crescentes de Al3+ aumentam os teores de Al3+ e dos nutrientes nos órgãos, bem como o desempenho fotoquímico e de trocas gasosas de S. camporum, com incremento de biomassa; e que nas espécies cítricas, ao contrário, há redução desses desempenhos fotossintéticos, com redução de biomassa. Com isso, tentaremos mostrar, anatomicamente, que o Al3+ aloja-se em células do mesofilo dos três genótipos. Uma vez que o Et e o IAA estão envolvidos na diminuição do alongamento radicular de espécies sensíveis ao Al3+, também esperamos que em S. camporum o Et não se eleve e o IAA não diminua nas raízes, mesmo sob concentrações crescentes de Al3+. Por outro lado, na ausência de Al3+ deve-se encontrar menor concentração de IAA nas raízes, o que sugeriria um desbalanço na biossíntese e/ou transporte das auxinas nas células da raiz. Em casa de vegetação, por 150 dias, faremos coletas destrutivas e medidas a cada 30 dias, usando-se blocos (caixas com 5 plantas) ao acaso por tratamento (5 concentrações de Al3+). Analisaremos variáveis biométricas do crescimento vegetal, a marcha de absorção de macro, micronutrientes e Al3+ e parâmetros fotossintéticos, além das relações hormonais na raiz dos três genótipos. Estudaremos os fatores concentração de Al3+ (5) e material vegetal (3). Os dados serão submetidos à análise de variância (Two-Way ANOVA) e serão testados separadamente para cada coleta. As médias serão comparadas pelo teste de Tukey (± = 0,05%). (AU)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BANHOS, OTAVIA F. A. A.; DE SOUZA, MARCELO CLARO; HABERMANN, GUSTAVO. High aluminum availability may affect Styrax camporum, an Al non-accumulating species from the Brazilian savanna. THEORETICAL AND EXPERIMENTAL PLANT PHYSIOLOGY, v. 28, n. 3, p. 321-332, SEP 2016. Citações Web of Science: 2.
BRESSAN, ANNA C. G.; COAN, ALESSANDRA I.; HABERMANN, GUSTAVO. X-ray spectra in SEM and staining with chrome azurol S show Al deposits in leaf tissues of Al-accumulating and non-accumulating plants from the cerrado. PLANT AND SOIL, v. 404, n. 1-2, p. 293-306, JUL 2016. Citações Web of Science: 9.
BANHOS, OTAVIA F. A. A.; CARVALHO, BRENDA M. DE O.; DA VEIGA, EDUARDO B.; BRESSAN, ANNA C. G.; TANAKA, FRANCISCO A. O.; HABERMANN, GUSTAVO. Aluminum-induced decrease in CO2 assimilation in `Rangpur' lime is associated with low stomatal conductance rather than low photochemical performances. Scientia Horticulturae, v. 205, p. 133-140, JUN 23 2016. Citações Web of Science: 8.
HABERMANN, GUSTAVO; BRESSAN-SMITH, RICARDO. Will we have enough to eat in the near future? What the Brazilian Society of Plant Physiology and The Global Plant Council have to do with it?. THEORETICAL AND EXPERIMENTAL PLANT PHYSIOLOGY, v. 25, n. 4, p. 244-250, OCT-DEC 2013. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.