Busca avançada
Ano de início
Entree

Intervenções para redução de diarréia em pacientes recebendo quimioterapia para câncer cólon-retal

Processo: 11/24163-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2012 - 30 de junho de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Paulo Eduardo de Oliveira Carvalho
Beneficiário:Paulo Eduardo de Oliveira Carvalho
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Antônio José Maria Cataneo ; Renata Filpi Martello da Silveira
Assunto(s):Oncologia  Neoplasias colorretais  Diarreia  Quimioterapia  Meta-análise 

Resumo

Anualmente o carcinoma cólon-retal (CCR) acomete mais de um milhão de pessoas e provoca seiscentas mil mortes em todo o mundo. No momento do diagnóstico apenas aproximadamente 14% dos pacientes se encontram no estadio I (TNM) e o restante dos pacientes se encontram em estadios avançados. Contudo todos os pacientes com CCR serão submetidos à quimioterapia como tratamento isolado ou em combinação com a cirurgia e ou radioterapia. A quimioterapia para o CCR é tóxica para o sistema gastrointestinal levando a um aumento da motilidade do intestino e redução da absorção de água e eletrólitos provocando diarreia. A diarreia induzida por quimioterapia (DIQ) também altera a microflora intestinal e inúmeras funções intestinais como o metabolismo de bilirrubinas, mucinas, enzimas pancreáticas, ácidos graxos, colesterol e também as funções imunológicas. Quando a diarreia é associada à neutropenia aumenta muito a incidência de complicações infecciosas e sepsis provocada por bactérias gram-negativas. Deficiência nutricional, desidratação e insuficiência renal são outras complicações frequentes nestes pacientes. Praticamente todos os pacientes com CCR em tratamento quimioterápico vão apresentar DIQ com maior ou menor gravidade. Esta diarreia frequentemente piora a qualidade de vida dos pacientes, modifica o protocolo de quimioterapia levando a diminuição de doses, retardo no tempo de administração, troca de medicações e até mesmo interrupção do tratamento quimioterápico. Em última análise piora o prognóstico e diminui a sobrevida dos pacientes. O tratamento da DIQ envolve diferentes intervenções medicamentosas e não medicamentosas tais como modificação no tipo e quantidade das dietas. Em relação às intervenções medicamentosas as mais comuns são a utilização de opioides, atropina, análogos da somatostatina, peptídeos vaso ativos, gastrina, antiinflamatórios hormonais, antibióticos, pro bióticos, adsorventes e absorventes. Objetivos: Determinar a efetividade e segurança de diferentes intervenções no tratamento da DIQ em pacientes portadores de CCR. Método: Revisão sistemática da literatura e metanálise de ensaios clínicos prospectivos e randomizados que compararam diferentes intervenções no tratamento de DIQ em pacientes com CCR. (AU)