Busca avançada
Ano de início
Entree

VI Colóquio Brasileiro de Pesquisadores em Economia Política dos Sistemas-Mundo

Resumo

O Colóquio tem por objetivo o encontro de pesquisadores brasileiros da temática Economia Política dos Sistemas-Mundo, com a participação de convidados estrangeiros. Teve início com os pesquisadores do Grupo de Pesquisa de Economia Política dos Sistemas-Mundo na UFSC. A edição de 2012 tem por principais objetivos: promover o diálogo entre estudiosos brasileiros com pesquisas na perspectiva da Economia Política dos Sistemas-Mundo; debater a perspectiva da Economia Política dos Sistemas-Mundo entre pesquisadores nacionais e convidados estrangeiros; divulgar essa perspectiva para professores, alunos de graduação e pós-graduação e a comunidade acadêmica em geral; analisar o Brasil e a China na atual conjuntura da Economia-Mundo Capitalista. A Economia Política dos Sistemas-Mundo (EPSM), surgiu em 1981 como uma seção da Associação Americana de Sociologia, por iniciativa dos pesquisadores interessados no campo de pesquisa aberto por Immanuel Wallerstein em 1974, com o lançamento do 1º vol. de "O Moderno Sistema Mundial". Ao longo dessas décadas os demais volumes forma publicados, sendo o 4º vol. em 2011. Outros pesquisadores têm publicado relevantes trabalhos utilizando a abordagem e colaborando para sua própria configuração. A abordagem da EPSM estuda o surgimento, desenvolvimento e desintegração de sistemas sociais históricos, pesquisados através do método comparativo, objetivando chegar a generalizações sobre interdependências entre os componentes do sistema entre condições sistêmicas em diferentes espaços e tempos. Sistemas sociais históricos são conjuntos de estruturas, simultaneamente sistêmicos e históricos, cujas coexistências e sucessão representam o próprio conteúdo do mundo social. Esses sistemas são vistos na abordagem em foco como a unidade de análise mais adequada para o estudo da vida social e ocupam, dessa forma, o lugar analítico tradicionalmente preenchido pela sociedade e pelo Estado no papel de entidades em que a vida social se desenrola. (AU)