Busca avançada
Ano de início
Entree

Gert Schubring | Universidade Bielefeld - Alemanha

Processo: 06/03456-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 08 de setembro de 2006 - 06 de outubro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação
Pesquisador responsável:Oscar João Abdounur
Beneficiário:Oscar João Abdounur
Pesquisador visitante: Gert Schubring
Inst. do pesquisador visitante: Bielefeld University, Alemanha
Instituição-sede: Instituto de Matemática e Estatística (IME). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):História da matemática  Metodologia da pesquisa  Intercâmbio de pesquisadores 

Resumo

O principal objetivo desse projeto é promover a pesquisa em história da matemática a partir de uma visão ampla do assunto, incluindo sua relação com filosofia, sociologia e educação, e também aperfeiçoar a qualificação em epistemologia, história e educação matemática, do quadro de professores atuantes em instituições do Estado de São Paulo. No entanto, o aspecto principal será o foco na metodologia de pesquisa em história, enfatizando as novas tendências e abordagens para a investigação da evolução dos conceitos científicos de um modo contextualizado em contextos da epistemologia e filosofia da ciência e igualmente em seus contextos cultural, social, institucional e político. Uma parte considerável do tempo será dedicada à assessoria individual e a dar orientação a estudantes de mestrado e doutorado. Dada a atual e pertinente tendência de introduzir a história da matemática nas salas de aula, é uma questão metodológica, particularmente importante, refletir sobre modos reais e efetivos de uso da história em sala de aula. Uma concepção que tem sido amplamente disseminada e que parece atrativa a muitos educadores matemáticos, é a abordagem da Escola Francesa dos obstáculos epistemológicos. Esse tema será, especialmente, objeto de conferência e de conversas com professores e estudantes, visando a analisar suas implicações metodológicas, seus méritos e limitações para conceituar a evolução histórica das idéias. De fato, o maior problema dessa abordagem é ter confiado nos achados da historiografia matemática tradicional que teve a prática de minimizar a investigação das evoluções contextualizadas e, com isso, se concentrando em idéias que são contribuições de poucos matemáticos. Duas conferências, com os respectivos cursos, serão dedicadas a exemplificar, com o caso de dois desenvolvimentos conceituais distintos, como costuma ocorrer um desenvolvimento conceitual complexo e o quanto fatores epistemológicos e contextuais determinam as formas concretas dos resultados em matemática: o caso da emergência e aceitação dos números negativos, que vai da idade média até o século XIX e o caso da representação gráfica dos números imaginários, que vai do século XVII até o século XIX, onde em grande parte foram os outsiders, os amadores que superaram os obstáculos. Outro aspecto importante e aplicação da reflexão metodológica será a própria história da educação matemática. Especialmente, seu foco estará na perspectiva comparativa e internacional. Dado que a historiografia tradicional da educação matemática está confinada na história nacional, como uma parte da história educacional do país em questão, constitui um desafio principal desvendar o que são tendências gerais e o que é característico das histórias nacionais, o que pertence em particular ao político, aos padrões sociais e culturais de cada país. Revelando a pesquisa, em andamento, as principais dimensões da evolução histórica do ensino da matemática em diversas culturas, esses padrões serão justapostos com padrões característicos na história do Brasil. Em especial, serão dados informação e acompanhamento à pesquisa que considera a análise comparativa de livros didáticos históricos de matemática, a emergência da profissão de professor de matemática, modos de formação de professores e reformas curriculares em matemática. (AU)