Busca avançada
Ano de início
Entree

Microcrédito: experiências e potencialidades

Processo: 98/13989-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas
Vigência: 01 de novembro de 1999 - 30 de abril de 2000
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Flávio Azevedo Marques de Saes
Beneficiário:Flávio Azevedo Marques de Saes
Instituição-sede: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Instituição parceira: Banco do Povo – Crédito Solidário
Assunto(s):Banco de crédito  Crédito  Santo André (SP) 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Pesquisa...publicas_198_152_153.pdf

Resumo

Quando se estuda a relação entre financiamento e desenvolvimento sempre se pensa em grandes volumes de poupança e investimentos de grande magnitude. Isto decorre tanto das teorias de desenvolvimento econômico como das teorias de finanças, em que a existência de informações assimétricas, colocando o problema da seleção e a exigência de garantias e os custos de transação existentes na intermediação de recursos, praticamente excluíam a população de baixa renda das análises, pois, em primeiro, lugar operações financeiras não eram possíveis devido ao elevado risco de inadimplência e aos custos operacionais em relação ao volume da operação, e, em segundo lugar, por não ser considerado um instrumento adequado para colaborar com o desenvolvimento ou para a superação da pobreza. Algumas experiências iniciadas na Ásia e na África, com a criação de sistemas de financiamentos voltados exclusivamente para populações de baixa renda, não só se mostraram viáveis do ponto de vista do custo operacional e da baixa adimplência, como contribuíram para melhorar as condições de vida das comunidades envolvidas. O agravamento dos problemas relacionados com a pobreza e a geração de emprego no Brasil no período recente fez com que se iniciassem as primeiras experiências em instituições de microcrédito. Destaca-se, em nível nacional, a Portosol de Porto Alegre, e, em nível estadual, o Banco do Povo de Santo André. Vários municípios e regiões do estado estão pretendendo criar estas instituições Assim, estudar e avaliar a experiência já existente é de fundamental importância para facilitar esta difusão e contribuir para que a implementação e organização dessas instituições se faça da maneira mais adequada, contribuindo para que os objetivos sejam alcançados. (AU)