Busca avançada
Ano de início
Entree

Formulação de análises e políticas setoriais: empresas de base tecnológica

Processo: 98/14127-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas
Vigência: 01 de novembro de 1999 - 31 de outubro de 2003
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Ana Cristina de Almeida Fernandes
Beneficiário:Ana Cristina de Almeida Fernandes
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Instituição parceira: Fundação Parque de Alta Tecnologia São Carlos (ParqTec)
Assunto(s):Política de desenvolvimento  Pequenas e médias empresas  Tecnologia  Capacitação tecnológica 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Pesquisa...publicas_182_143_143.pdf

Resumo

Nos mais diversos países, incluindo os desenvolvidos, existem programas específicos de fomento às Pequenas e Médias Empresas (PMEs), em especial às empresas de base tecnológica (EBT). Tais políticas são justificadas pela importante contribuição destas empresas para criação de empregos - especialmente de maior qualificação - inovação e difusão de novas tecnologias, introdução de novos métodos organizacionais e, frequentemente, dinamização econômica de determinadas regiões. Há, porém, crescente preocupação com o futuro das PMEs, em função das tendências de globalização dos mercados, concentração das atividades de desenvolvimento tecnológico e intensificação da concorrência entre as empresas. Neste contexto, amplia-se o interesse dos governos em promover e estimular a competitividade de suas PMEs, intensificando seus vínculos produtivos e organizacionais com as grandes empresas e constituindo bases nacionais sistêmicas competitivas. No Brasil, as EBTs são objeto de interesse renovado por parte de esferas subnacionais de governo. Contudo, estas empresas continuam a enfrentar sérias limitações e obstáculos ao seu desenvolvimento e, por conseguinte, a realização de seu potencial de geração de emprego e dinamização econômica. Em face deste quadro, as atividades de pesquisa aqui propostas são: 1) analisar as experiências internacionais de políticas de desenvolvimento das EBTs, procurando avaliar as iniciativas bem sucedidas; 2) diagnosticar os principais obstáculos enfrentados pelas EBTs brasileiras, especialmente as de São Paulo, enfatizando a avaliação da eficácia do conjunto de instrumentos de fomento vigentes; 3) avaliar, tomando como referência o quadro internacional, seus efeitos em termos de geração de emprego, com vistas à definição de diretrizes de estímulo a criação e manutenção de empregos em setores intensivos em tecnologia; 4) capacitar técnicos da instituição parceira para formular, implementar e monitorar estratégias de fomento ao desenvolvimento dessas empresas. (AU)