Busca avançada
Ano de início
Entree

Políticas públicas do município de Piraju: o patrimônio ambiental e cultura como bens de uso comum do povo (diagnóstico, gestão e avaliação)

Processo: 98/14171-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas
Vigência: 01 de novembro de 1999 - 31 de julho de 2000
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:José Luiz de Morais
Beneficiário:José Luiz de Morais
Instituição-sede: Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Instituição parceira: Prefeitura Municipal de Piraju
Assunto(s):Administração municipal  Planejamento territorial urbano  Bens públicos  Patrimônio cultural  Patrimônio arqueológico  Pirajú (SP) 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Pesquisa...publicas_177_140_141.pdf

Resumo

Esta proposta tem suas raízes no período em que participamos diretamente da administração pública do município de Piraju, na qualidade de secretário municipal de planejamento e meio ambiente. Quando implantamos a pasta municipal, fizemos prevalecer nossa formação e exercício acadêmico, dando a ela um perfil que valorizasse os atributos ambientais do município, nos segmentos físico-biótico e sócio-econômico-cultural. Naquela ocasião, por meio do projeto Paranapanema, com o apoio da FAPESP (proc. 95/04409-0), desenvolvemos um projeto de pesquisa básica, com perfil predominantemente acadêmico, relacionado com a temática 'políticas públicas na área de urbanismo'. Em dezembro de 1996, a municipalidade editou a Lei 2.058, instituindo a 'Política municipal de urbanismo de Piraju', como produto deste estudo. A proposta ora em epígrafe busca focalizar, em moldes semelhantes, iniciativas ligadas ao patrimônio ambiental e cultural, com ênfase nos bens arqueológicos. Colocada à margem da industrialização, Piraju optou pelo turismo como forma de desenvolvimento social e econômico. E a fundamentação desta atividade são os cenários paisagísticos notáveis (em especial o rio Paranapanema), os sítios e o acervo arqueológico e a rica arquitetura eclética produzida no apogeu da cafeicultura, durante a República Velha. Todavia, a otimização do uso social e econômico deste patrimônio, no âmbito das atividades turísticas, requer diagnósticos, modelos de gestão e avaliação permanente, de modo a não compromete-la de forma negativa. O envolvimento de profissionais da academia será de grande valia. Nomes como Júlio Katinsky, Murilo Marx (patrimônio ambiental urbano), Haiganuch Sarian, Tânia Andrade Lima (patrimônio arqueológico) e Sandra Medina (gestão pela qualidade total), colaboradores do projeto Paranapanema, compartilharão conhecimentos com o grupo local, repetindo, de forma ampliada, uma experiência que foi altamente positiva há três anos. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.