Busca avançada
Ano de início
Entree

Características temporais e espaciais do campo paleomagnético

Processo: 12/07523-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 16 de julho de 2012 - 15 de julho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geofísica
Pesquisador responsável:Marcia Ernesto
Beneficiário:Marcia Ernesto
Pesquisador visitante: Xixi Zhao
Inst. do pesquisador visitante: University of California, Santa Cruz (UC Santa Cruz), Estados Unidos
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Geomagnetismo  Estratigrafia  Bacia do Paraná  Intercâmbio de pesquisadores  Cooperação internacional 

Resumo

Este projeto tem por objetivo ampliar o conhecimento das características das variações do campo geomagnético em épocas pretéritas. Dois temas principais serão abordados: a variação secular durante os supercrons de polaridade e variações de intensidade. No primeiro caso, trata-se da investigação da variação direcional do campo durante o SRPC e será investigada através de dados paleomagnéticos de sequências rítmicas do Grupo Itararé, Bacia do Paraná.O estudo da variação secular será feito através da determinação do parâmetro Sb de dispersão dos PGVs e a subsequente comparação com curvas de dispersão baseadas em modelos do campo geomagnético. Os dados serão provenientes de sequências de ritmitos do Grupo Itararé (formações Mafra e Rio do Sul), Bacia do Paraná, cobrindo o intervalo de idades do Carbonífero-Permiano e inseridas no SRPC. Um aspecto altamente positivo deste trabalho, é que as sequências de ritmitos que serão utilizadas permitem a avaliação do intervalo de tempo coberto pelos pares litológicos que as compõem através da calibração astronômica utilizada em cicloestratigrafia, a exemplo do que já foi praticado com ritmitos de Itu e Rio do Sul. Desta forma é possível ter controle da probabilidade de termos um registro completo e suficientemente denso da variação secular para se proceder às análises estatísitcas.Para a determinação de paleointensidades relativas ao Cretáceo será utilizada a coleção de amostras orientadas disponíveis no acervo do IAG/USP. Inicialmente será feita uma seleção de amostras de basaltos da Província Magmática do Paraná (Cretáceo Inferior: idades Ar/Ar de ~134-133 Ma). Como a remanência magnética dessas amostras já foi analisada em detalhe é possível proceder à seleção daquelas que apresentam mineralogia magnética mais coerciva (evidências de que os grãos magnéticos sejam de domínio simples) e apresentem uma única componente de magnetização.Através deste projeto esperamos contribuir significativamente com o debate atual sobre as condições de estabilidade do dínamo terrestre durante os supercrons de polaridade e durante períodos de altas taxas de reversões. Em particular, quanto à questão da variação secular, teremos uma base de dados significativa e que contorna alguns problemas existentes na construção das curvas de dispersão em função da latitude. Teremos um conjunto de dados inéditos para médias paleolatitudes e provenientes de áreas próximas, evitando-se assim, efeitos de dispersão devido a configurações espaciais variáveis do campo paleomagnético. O segundo objetivo é ampliar a base de dados de paleointensidade do Cretáceo Inferior utilizando-se amostras da Formação Serra Geral (134-130Ma) da Bacia do Paraná. O grau de confiabilidade na determinação da intensidade dos campos magnéticos pretéritos é difícil de estabelecer, não por falta de rigor metodológico dos trabalhos já executados, mas por falta de uma base de dados ampla e por falta de outras fontes de informação para efeito de comparação. Para campos mais recentes verificou-se que as determinações do momento do dipolo axial virtual a partir de lavas, é, em média, 10% mais alto do aquele determinado em materiais arqueológicos. Nesse sentido, é importante ampliar a base de dados em intervalos de tempo restritos e bem controlados cronologicamente, como é o caso da Província magmática do Paraná. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.