Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade e exclusão: conhecendo melhor quem as vivencia e construindo alternativas de inclusão

Processo: 98/15511-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas
Vigência: 01 de novembro de 1999 - 31 de dezembro de 2002
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Lisete Regina Gomes Arelaro
Beneficiário:Lisete Regina Gomes Arelaro
Instituição-sede: Faculdade de Educação (FE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Instituição parceira: Secretaria Municipal da Educação (São Paulo)
Assunto(s):Educação especial  Pessoas com deficiência  Transtorno autístico  Educação do deficiente mental  Inclusão social  Campinas (SP) 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Pesquisa...publicas_164_134_134.pdf

Resumo

A educação especial, enquanto integrante do sistema educacional, necessita, urgentemente, repensar suas políticas e práticas, inserindo-se no movimento de uma educação pública de qualidade. Os poderes públicos têm primado pela subvenção às entidades filantrópica assistenciais, seja por não possuírem estrutura própria em suas redes para atender as diferentes necessidades dos portadores de deficiências, seja por considerarem que seu papel é o fornecimento do atendimento 'em si', entendido como número de vagas, desvinculando-se de uma proposta político pedagógica que viabilize uma educação de qualidade dessas crianças, jovens e adultos. A cidade de Campinas também se enquadra nesta situação: 80% de seu atendimento aos portadores de necessidades especiais, do segmento atendido é feito por entidades assistenciais e filantrópicas e os outros 20%, através de classes e serviços da rede pública de ensino. Planejar ações no campo das políticas sociais, para parcelas da população que vive de forma 'marginal' ao processo cultural e produtivo da sociedade, pressupõe pesquisas e projetos de intervenção que explicitem o conflito da relação entre os sujeitos, como espaço e possibilidade para 'aprendizagens'. Significa, portanto, a construção de alternativas de ações em que a discriminação, a massificação, os desvios consideradas como características negativas, e as diferenças, consideradas como ameaças, dêem lugar a processos de democratização, de promoção de identidades e das diferenças, como parte das singularidades pessoais. A proposta deste projeto é construir um documentário, com as pessoas que se utilizam de algum tipo de 'educação especial', deficientes e autistas, com os profissionais da educação que trabalhem na rede pública e com os profissionais de entidades assistenciais e filantrópicas vinculadas à Secretaria Municipal de Educação de Campinas, que problematize esta condição: da diversidade, da exclusão e da 'ciência' de se viver o cotidiano em situações 'especiais'. (AU)