Busca avançada
Ano de início
Entree

Cirurgia guiada por luz infravermelha para a localização de linfonodo sentinela em câncer inicial de cavidade oral

Processo: 12/07459-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:André Lopes Carvalho
Beneficiário:André Lopes Carvalho
Instituição-sede: Hospital do Câncer de Barretos. Fundação Pio XII (FP). Barretos , SP, Brasil
Pesq. associados: Cristovam Scapulatempo Neto
Assunto(s):Cirurgia bucal  Neoplasias bucais  Linfonodos  Imuno-histoquímica  Radiação infravermelha 

Resumo

A pesquisa de linfonodo sentinela (LS) é um método bem estabelecido em aplicações como melanoma e câncer de mama, porém em câncer de cavidade oral, apresenta algumas dificuldades que precisam ser superadas, necessitando de aperfeiçoamento de sua técnica para ganhar maior aceitação. Utiliza-se tradicionalmente, do auxílio da medicina nuclear e corantes como o azul patente. Em cânceres de estádios iniciais de cavidade oral justifica-se o uso linfonodo sentinela (LS), pois o esvaziamento cervical eletivo, pode proporcionar até 85% de procedimentos no pescoço em que o produto da dissecção cervical é negativo. Na presença de LS comprometido, indica-se o tratamento cirúrgico complementar de esvaziamento cervical. Entretanto, dentre as dificuldades técnicas no câncer de boca, destaca-se a proximidade do ponto de injeção do radiofármaco e a localização do LS, que é ofuscado pela alta emissão do tumor primário.Uma nova alternativa a estes métodos tradicionais é a utilização da luz infravermelha near infrared de comprimento de onda de 700 a 900 nm (NIR) e corantes fluorescentes, como a indocianina verde. A luz NIR apresenta maior capacidade de penetrar nos tecidos vivos permitindo que o linfonodo possa ser visualizado através das estruturas que recobrem o linfonodo marcado, inclusive a pele. Desta forma, a localização do LS pode ser determinada em tempo cirúrgico real, potencialmente até mesmo antes da incisão cutânea. Como a luz infravermelha é invisível ao olho humano, são necessário equipamentos especializados desenvolvidos para este fim.Tal metodologia é emergente e necessita de estudos de padronização e otimização do método para que possa ser aplicada em cirurgia de cabeça e pescoço com potencial de suplantar os métodos tradicionais. (AU)