Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da fumaça do cigarro na resposta inflamatória do sistema nervoso central

Processo: 12/12921-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Tania Marcourakis
Beneficiário:Tania Marcourakis
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Sistema nervoso central  Inflamação 

Resumo

O Tabagismo é uma das principais causas de doenças crônicas não transmissíveis, podendo causar e agravar casos de hipertensão, doenças coronarianas, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) entre outros. Estima-se que 1,6 bilhões de pessoas serão fumantes em 2030. Em 1999, estes dados levaram a criação de políticas de controle do tabagismo para evitar a contaminação de indivíduos não fumantes pela poluição ambiental causada pelo cigarro, uma vez que o fumo passivo está relacionado com reações alérgicas, infarto agudo do miocárdio e câncer pulmonar. O organismo humano está condicionado à proteção contra injurias teciduais, bactérias e vírus através do Sistema Imune, onde a primeira resposta encontrada é a resposta imune inata, sendo de forma rápida e inespecífica. O sistema nervoso central (SNC), considerado um sítio imunoprivilegiado, devido a presença da barreira hematoencefálica e da reduzida drenagem de antígenos aos linfonodos drenantes. Nesse contexto, a expressão de PRRs (Pattern Recognition Receptors) é de suma importância, Os mesmos são capazes de reconhecer padrões moleculares associados à patógenos (PAMPs) ou padrões moleculares associado ao perigo, os chamados danger signals . O engajamento entre os PRRs, como no caso do TLR-4 ( Toll-like receptor-4) com seu agonista o LPS, resulta, na ativação de uma cascata intracelular que culmina com a ativação do fator nuclear kB (NF-kB). O NF- kB é responsável por mediar a resposta inflamatória através da transcrição de citocinas pró-inflamatórias como a IL-1, IL-6, IL-12, TNF-a e anti-inflamatórias como a IL-10. Caracterizada por um processo inflamatório a DPOC é comumente encontrada em fumantes crônicos, sendo possível a detecção de alterações imunológicas causadas pela fumaça do cigarro, como aumento de células inflamatórias, principalmente monócitos e macrófagos, além das citocinas pró-inflamatórias IL-1b, TNF-a e IL-6. Descritas principalmente no pulmão, pouco se sabe sobre a ação da fumaça do cigarro no SNC, estudos anteriores de nosso laboratório demostraram que a fumaça induz alterações em enzimas antioxidantes e na peroxidação lipídica de camundongos. Assim, este estudo tem como objetivo esclarecer os efeitos, em um processo de inflamação induzida por LPS, da exposição à fumaça do cigarro por 15 dias consecutivos em camundongos C57/BL6. Para tanto, serão avaliadas citocinas pró e anti-inflamatórias (IL-6, IL-1b, IL-10, TNF-a); receptores de membrana TLR2 e TLR4; expressão proteica de iNOS e do fator nuclear kB. (AU)