Busca avançada
Ano de início
Entree

Ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa em sangue materno e em sangue de cordão no nascimento nas gestações com insuficiência placentária

Processo: 12/07971-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Roseli Mieko Yamamoto Nomura
Beneficiário:Roseli Mieko Yamamoto Nomura
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Renata Felipe Saffioti
Assunto(s):Obstetrícia  Consumo de alimentos  Índice de massa corporal  Insuficiência placentária  Ácidos graxos insaturados 

Resumo

Os ácidos graxos são constituintes estruturais das membranas celulares. Os não sintetizados pelo organismo humano são chamados de Ácidos Graxos Essenciais, que são constituídos por duas famílias: a Omega-3 (alfa-linolênico) e a Omega-6 (ácido linoléico). O Ácido Araquidônico (AA) da família Omega-6 e o ácido docosahexaenóico (DHA) da família Omega-3 são indispensáveis para os componentes das membranas celulares e necessários para a qualidade do desenvolvimento neurológico, visual, vascular, cognitivo, e para o crescimento fetal. Objetivos: analisar, em gestações que cursam com insuficiência placentária, a concentração de ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa (AGPI-CL), verificando: a concentração dos AGPI-CL em sangue materno e de cordão umbilical no nascimento, verificando a passagem desses componentes para a circulação fetal; a relação entre o estado nutricional antropométrico materno e as concentrações de AGPI-CL no sangue materno e fetal; a relação entre o consumo dietético materno e as concentrações de AGPI-CL no sangue materno e fetal. Métodos: Este estudo será do tipo transversal e prospectivo. Serão incluídas no estudo as gestantes que apresentarem idade gestacional superior a 26 semanas completas; diagnóstico de insuficiência placentária por alteração no Doppler da artéria umbilical; feto único e vivo; e ausência de anomalias fetais. Será constituído um grupo controle de gestantes sem insuficiência placentária. As amostras de sangue serão coletadas no Centro Obstétrico, por ocasião do parto. As concentrações de AGPI-CL serão determinadas no plasma sanguíneo. Será avaliado o estado nutricional antropométrico pelo índice de massa corporal na gestação e o consumo alimentar será avaliado por aplicação do Questionário de Freqüência de Consumo Alimentar (QFCA) validado. (AU)