Busca avançada
Ano de início
Entree

MicroRNAs envolvidos na gênese e progressão do melanoma

Processo: 12/08776-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de outubro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Miriam Galvonas Jasiulionis
Beneficiário:Miriam Galvonas Jasiulionis
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Epigênese genética  MicroRNAs  Neoplasias cutâneas  Melanoma  Progressão tumoral 

Resumo

RNAs não codificantes são moléculas de RNA que tem função estrutural, enzimática e reguladora. Entre aquelas com atividade reguladora estão os miRNAs, que correspondem a RNAs muito pequenos, constituídos por aproximadamente 22 nucleotídeos. Os microRNAs (miRNAs) são capazes de se ligar aos RNA mensageiros (mRNA) alvos e impedir sua tradução. Estima-se que mais de 60% dos mRNAs são regulados pelos miRNAs e por isso estas moléculas são consideradas fundamentais no controle de diversos processos biológicos. O aumento ou diminuição da expressão dos miRNAs contribui com a quebra da homeostase celular e favorece o desenvolvimento de diversas doenças. Pouco se sabe sobre os mecanismos relacionados com o controle dos miRNAs e o entendimento dos eventos que levam a alterações de sua expressão pode fornecer novas perspectivas para o tratamento de diferentes patologias, inclusive do câncer. O melanoma cutâneo é o tipo mais letal de câncer de pele e se desenvolve a partir da transformação maligna dos melanócitos, processo que resulta de interações complexas entre fatores genéticos (mutações e anormalidades cromossômicas) e epigenéticos. Os mecanismos epigenéticos mais estudados correspondem à metilação do DNA e às modificações pós-traducionais em histonas. Alterações nos mecanismos epigenéticos podem promover modificações no perfil de expressão de miRNAs contribuindo com a progressão tumoral. Em nosso laboratório foi desenvolvido um modelo murino de transformação maligna de melanócitos, no qual linhagens celulares representando diferentes fenótipos associados ao melanoma foram estabelecidas após submeter uma linhagem de melanócitos denominada melan-a a ciclos sequenciais de bloqueio de ancoragem. Neste contexto, este trabalho visa identificar miRNAs diferencialmente expressos durante o processo de transformação maligna de melanócitos e ao longo da progressão do melanoma; determinar as vias celulares que estão sob o controle destes miRNAs; determinar miRNAs que estão sob controle da maquinaria epigenética; estabelecer miRNAs que possam estar relacionados com resposta a tratamento; identificar miRNAs que possam ser utilizados como marcadores das diferentes fases da progressão do melanoma, ou ainda que possam servir de alvo para novas estratégias terapêuticas. (AU)