Busca avançada
Ano de início
Entree

Abordagem funcional, molecular e histopatológica de síndrome linfoproliferativa e autoimunidade como manifestação de imunodeficiência primária

Processo: 12/06194-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2013 - 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Maria Marluce dos Santos Vilela
Beneficiário:Maria Marluce dos Santos Vilela
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Imunologia clínica  Síndrome linfoproliferativa autoimune  Resposta imune  Proteína ligante Fas  Apoptose  Linfócitos T  Citometria de fluxo 

Resumo

A apoptose ou morte celular geneticamente programada é o mecanismo responsável pelo controle do número de células e eliminação de células senescentes, danificadas ou desnecessárias, sem provocar inflamação. O processo tem grande relevância na regulação da resposta imune. A primeira doença humana com etiologia atribuída a defeito primário em apoptose foi a Síndrome Linfoproliferativa Autoimune (ALPS), causada principalmente por mutações heterozigotas no gene TNFRSF6, que codifica para Fas. A doença é caracterizada tipicamente pela infiltração massiva de células com receptores TCR ±/²+ e negativas para os marcadores CD4 e CD8 (células T duplo-negativas) nos órgãos linfóides, causando aumento deles. Autoimunidade também aparece como uma manifestação frequente em indivíduos com ALPS, afetando principalmente plaquetas, eritrócitos e leucócitos, além de órgãos como rins, fígado, articulações, olhos, sistema neurológico, intestino, pulmão e vasos sanguíneos. Alguns estudos sugerem que tais manifestações estão associadas a uma maior produção de interleucina (IL)-10 pelas células T duplo-negativas, a qual, juntamente com FasL solúvel e vitamina B12, aparece em níveis elevados nesses pacientes. Outras Imunodeficiências Primárias também podem se manifestar com linfoproliferação e/ou autoimunidade, evidenciando uma sobreposição de fenótipos com ALPS. O diagnóstico correto e precoce de ALPS tem relevância médica, uma vez que, devido às manifestações da doença, muitas vezes é confundido com neoplasias e consequente administração de tratamentos desnecessários e potencialmente tóxicos. Nosso objetivo no presente trabalho é estudar a regulação da resposta imune e avaliar a imunoarquitetura dos tecidos linfóides em pacientes com síndrome linfoproliferativa e autoimunidade. A abordagem genética associada às abordagens funcional e histopatológica poderá evidenciar marcadores e ampliar os fenótipos das imunodeficiências primárias com essas manifestações. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MAREGA, LIA FURLANETO; TEOCCHI, MARCELO ANANIAS; DOS SANTOS VILELA, MARIA MARLUCE. Differential regulation of miR-146a/FAS and miR-21/FASLG axes in autoimmune lymphoproliferative syndrome due to FAS mutation (ALPS-FAS). CLINICAL AND EXPERIMENTAL IMMUNOLOGY, v. 185, n. 2, p. 148-153, AUG 2016. Citações Web of Science: 3.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
VILELA, Maria Marluce dos Santos. . 2016. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.