Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da contaminação de esteiras sanitárias em frigorífico de frango, por Clostridium perfringens, Salmonella spp. e Escherichia coli, antes e após a higienização com aspersão de água

Processo: 12/17335-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 30 de abril de 2015
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Inspeção de Produtos de Origem Animal
Pesquisador responsável:Ruben Pablo Schocken-Iturrino
Beneficiário:Ruben Pablo Schocken-Iturrino
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Higiene de alimentos  Carnes e derivados  Frangos de corte  Contaminação de alimentos  Bactérias patogênicas 

Resumo

Atualmente, a avicultura brasileira é o terceiro maior produção mundial de carne de frango, constando em 2010 o montante de 12,23 milhões de toneladas. O consumo dessa proteína de origem animal aumenta a cada ano, em 2009, o consumo per capita foi de 38,47kg/ano e em 2010, atingiu 44,09kg/ano (ABEF, 2011).Devido o aumento do consumo de carne de frango, deve-se salientar a preocupação com a veiculação de patógenos à saúde humana. A higienização adequada durante o processamento, armazenamento e manipulação dos alimentos é o melhor método de se evitar essa veiculação (PINTO, 1996). Os principais patógenos encontrados em frigoríficos de frango de corte são Clostridium spp., Listeria monocytogenes, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, Bacillus cereus, e microrganismos pertencentes à família Enterobacteriaceae, como: Salmonella Typhimurium, Escherichia coli, Yersinia enterocolitica, entre outros. Todos estes agentes causadores de doenças gastrointestinais que causam prejuízos econômicos (tratamento médico e ausência ao trabalho), além dos riscos a saúde de idosos e crianças(MAROUANI-GADRI et al., 2009). Baseado no exposto, o presente estudo pretende avaliar o uso de aspersão de água sobre pressão como forma de higiene operacional no controle microbiológico. Através da quantificação das principais bactérias patogênicas presentes nas esteiras condutoras de cortes de frango antes e após a higienização. As análises realizadas serão contagem de enterobactérias e de Clostridium spp., isolamento de Salmonella spp., Clostridium Atualmente, a avicultura brasileira é o terceiro maior produção mundial de carne de frango, constando em 2010 o montante de 12,23 milhões de toneladas. O consumo dessa proteína de origem animal aumenta a cada ano, em 2009, o consumo per capita foi de 38,47kg/ano e em 2010, atingiu 44,09kg/ano (ABEF, 2011).Devido o aumento do consumo de carne de frango, deve-se salientar a preocupação com a veiculação de patógenos à saúde humana. A higienização adequada durante o processamento, armazenamento e manipulação dos alimentos é o melhor método de se evitar essa veiculação (PINTO, 1996). Os principais patógenos encontrados em frigoríficos de frango de corte são Clostridium spp., Listeria monocytogenes, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, Bacillus cereus, e microrganismos pertencentes à família Enterobacteriaceae, como: Salmonella Typhimurium, Escherichia coli, Yersinia enterocolitica, entre outros. Todos estes agentes causadores de doenças gastrointestinais que causam prejuízos econômicos (tratamento médico e ausência ao trabalho), além dos riscos a saúde de idosos e crianças (MAROUANI-GADRI et al., 2009). Baseado no exposto, o presente estudo pretende avaliar o uso de aspersão de água sobre pressão como forma de higiene operacional no controle microbiológico. Através da quantificação das principais bactérias patogênicas presentes nas esteiras condutoras de cortes de frango antes e após a higienização. As análises realizadas serão contagem de enterobactérias e de Clostridium spp., isolamento de Salmonella spp., Clostridium perfringens e Escherichia coli diarréicogênicas. Os isolados serão posteriormente submetidos a técnica de PCR e identificação das linhagens pela técnica de PFGE. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.