Busca avançada
Ano de início
Entree

Sedentarismo pode ser preditor de complicações pós-operatórias em pacientes submetidos a cirurgias abdominais altas?

Processo: 12/16817-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2012 - 30 de novembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Adriana Claudia Lunardi
Beneficiário:Adriana Claudia Lunardi
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Fisioterapia  Procedimentos cirúrgicos operatórios  Cirurgia torácica  Período perioperatório  Sedentarismo  Atividade física  Complicações pós-operatórias 

Resumo

Complicações após procedimentos abdominais são extremamente comuns e acarretam prolongamento dos dias de internação hospitalar, mortalidade e aumento dos custos hospitalares. Com base na evolução do conhecimento dos fenômenos perioperatórios, a prevenção destas complicações deve ser objetivo constante da equipe multiprofissional. A estratificação do risco cirúrgico, em cirurgias eletivas, considera fatores relacionados ao ato operatório: tempo de duração, local da incisão e medicamentos empregados, e fatores relacionados ao paciente: doenças pré-existentes, idade, estado nutricional e status performance. Parece que a funcionalidade e a capacidade de exercício de pacientes cirúrgicos são marcadores importantes de incidência de complicação, tempo de internação e mortalidade após a operação. Neste sentido, diversos testes de capacidade funcional como teste do degrau, da caminhada e incremental têm sido empregados na tentativa de predizer risco cirúrgico em cirurgias cardíacas e torácicas, porém, nenhum deles ainda mostrou-se eficaz em cirurgias abdominais. As avaliações objetivas do nível de atividade física e do sedentarismo têm sido cada vez mais desenvolvidas, e atualmente utilizam equipamentos de baixo custo e fácil utilização, os acelerômetros. Eles são capazes de quantificar a intensidade das atividades e sua demanda energética e já foram utilizados com sucesso em diversas populações como DPOC, crianças, adultos saudáveis, participantes de programas de reabilitação e pacientes submetidos a cirurgias cardíacas. Como, ainda desconhecemos um método de avaliação de status performance eficaz na predição de complicações após cirurgias abdominais e a relação do sedentarismo com a funcionalidade no pós-operatório tardio nesta população, este estudo torna-se relevante. Objetivo: 1) Avaliar se o sedentarismo é capaz de predizer complicações pulmonares, cardíacas e tromboembólicas em pacientes submetidos à cirurgia abdominal; 2) Avaliar se o nível de atividade física pré-operatória está associado à funcionalidade do paciente após 30 dias de cirurgia; 3) Analisar o impacto do tempo de hospitalização na mobilidade, força muscular periférica e força muscular respiratória em pacientes idosos e adultos, com doença benigna e doença maligna. Métodos: Para isto, este estudo de coorte avaliará o nível de atividade física utilizando 2 ferramentas: acelerômetro Actigraph GTX3 e questionário IPAQ-versão 6 de 200 candidatos consecutivos à cirurgia abdominal eletiva. A seguir, todos os pacientes serão avaliados, até 24h depois da internação, quanto à sua história clínica, função pulmonar, força muscular respiratória, força muscular periférica e funcionalidade, e novamente um dia antes do procedimento cirúrgico. Todos os pacientes serão acompanhados durante o período pós-operatório pela equipe médica e fisioterapêutica (intervenção padronizada) "cegas" aos resultados das avaliações pré-operatórias. As complicações consideradas serão as pulmonares (atelectasia, hipoxemia e pneumonia), cardíacas (infarto agudo do miocárdio, descompensação da insuficiência cardíaca e arritmias significativas) e tromboembólicas (trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar). A incidência de complicações e o tempo de internação serão verificados até a alta hospitalar. Após 30 dias de cirurgia os pacientes serão reavaliados quanto à funcionalidade e a taxa de mortalidade verificada. Análises multivariadas serão utilizadas para testar a capacidade de predição do sedentarismo para complicações após cirurgias abdominais. Testes de associação verificarão a relação entre nível de atividade física e funcionalidade. Análise de variância de três fatores (tempo: pré e após hospitalização, idade: adulto e idoso, doença: benigna e maligna) para medida repetida com post hoc de Tukey será empregada para avaliar o impacto do tempo de hospitalização nestas populações. O nível de significância será ajustado para 5%. (AU)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FONTENELE GARCIA, ISABEL FIALHO; TIUGANJI, CARINA TIEMI; MORAIS PEREIRA SIMOES, MARIA DO SOCORRO; LUNARDI, ADRIANA CLAUDIA. A study of measurement properties of the Life-Space Assessment questionnaire in older adults with chronic obstructive pulmonary disease. CLINICAL REHABILITATION, v. 32, n. 10, p. 1374-1382, OCT 2018. Citações Web of Science: 2.
SIMOES, MARIA DO SOCORRO M. P.; GARCIA, ISABEL F. F.; COSTA, LUCIOLA DA C. M.; LUNARDI, ADRIANA C. Life-Space Assessment questionnaire: Novel measurement properties for Brazilian community-dwelling older adults. Geriatrics & Gerontology International, v. 18, n. 5, p. 783-789, MAY 2018. Citações Web of Science: 6.
SOUZA, DANIEL C.; WEGNER, FERNANDO; COSTA, LUCIOLA C. M.; CHIAVEGATO, LUCIANA D.; LUNARDI, ADRIANA C. Measurement properties of the Human Activity Profile questionnaire in hospitalized patients. BRAZILIAN JOURNAL OF PHYSICAL THERAPY, v. 21, n. 3, p. 153-158, MAY-JUN 2017. Citações Web of Science: 3.
FONTENELE GARCIA, ISABEL FIALHO; TIUGANJI, CARINA TIEMI; MORAIS PEREIRA SIMOES, MARIA DO SOCORRO; SANTORO, ILKA LOPES; LUNARDI, ADRIANA CLAUDIA. Systemic effects of chronic obstructive pulmonary disease in young-old adults' life-space mobility. INTERNATIONAL JOURNAL OF CHRONIC OBSTRUCTIVE PULMONARY DISEASE, v. 12, p. 2777-2785, 2017. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.