Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de poluentes orgânicos em pinguins-de-Magalhães Spheniscus magellanicus encontrados no Atlântico Sul Ocidental

Processo: 12/10323-9
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2012 - 30 de novembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Química
Pesquisador responsável:Márcia Caruso Bícego
Beneficiário:Márcia Caruso Bícego
Instituição Sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores associados:Ilana Elazari Klein Coaracy Wainer ; Rosalinda Carmela Montone
Assunto(s):Poluição do mar  Contaminantes químicos da água  Hidrocarbonetos policíclicos aromáticos  Agrotóxicos  Aves aquáticas  Pinguim-de-Magalhães  América do Sul 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:América do Sul | HPAs | metabolitos biliares | pinguim de magalhães | POPs | poluição marinha

Resumo

Os pinguins são vulneráveis à poluição marinha, pois permanecem maior tempo em contato com a água e, por não voarem, possuem menor capacidade de fugir da presença de contaminantes. As rotas migratórias dos pinguins-de-Magalhães Spheniscus magellanicus muitas vezes coincidem com regiões com tráficos marítimos intensos, o que pode acarretar na sua contaminação com óleo ou sua morte. Essas aves marinhas podem também ser afetadas por outros poluentes orgânicos como os bifenilos policlorados (PCBs), os pesticidas organoclorados e os difenis eters polibromados (PBDEs) que apresentam alta persistência e forte propensão à bioacumulação e biomagnificação e estão distribuídos até nos lugares mais remotos. Este estudo tem como objetivo principal avaliar os metabólitos biliares de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs), além disso, serão analisados os HPAs, pesticidas organoclorados, PCBs, PBDEs no fígado de pinguins-de-Magalhães encontrados nas praias dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, e no Uruguai, Argentina e Chile entre os anos agosto de 2010 e 2013. Serão avaliadas amostras já coletadas de aproximadamente 47 biles e 40 fígados de pinguim-de-Magalhães encontrados no litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro, que foram encaminhados para reabilitação em Ubatuba e vieram a óbito entre 2010 e 2012, além das amostras que serão coletadas no projeto. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BALDASSIN, P.; TANIGUCHI, S.; GALLO, H.; MARANHO, A.; KOLESNIKOVAS, C.; AMORIM, D. B.; MANSILLA, M.; NAVARRO, R. M.; TABEIRA, L. C.; BICEGO, M. C.; et al. Persistent organic pollutants in juvenile Magellanic Penguins (Spheniscus magellanicus) in South America. Chemosphere, v. 149, p. 391-399, . (10/07227-2, 12/10323-9)
BARRETO, ISANA SOUZA; RIZZATTI DE ALBERGARIA-BARBOSA, ANA CECILIA; PATIRE, VINICIUS FARIAS; SILVA, MARCIO DE JESUS; BALDASSIN, PAULA; TANIGUCHI, SATIE; MONTONE, ROSALINDA CARMELA; GALLO, HUGO; MARANHO, ANDREA; BICEGO, MARCIA CARUSO. Bioavailability of polycyclic aromatic hydrocarbons to penguins on the coast of southeastern Brazil. Marine Pollution Bulletin, v. 157, . (10/07227-2, 05/03801-8, 12/10323-9)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.