Busca avançada
Ano de início
Entree

Evidências de validade de critério para a versão inicial da escala de avaliação de pensamentos depressivos

Processo: 12/19720-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2013 - 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Fundamentos e Medidas da Psicologia
Pesquisador responsável:Ricardo Alberto Moreno
Beneficiário:Ricardo Alberto Moreno
Instituição-sede: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Fernando dos Santos Fernandes
Bolsa(s) vinculada(s):13/13908-0 - Evidências de validade de critério para a versão inicial da Escala de Avaliação de Pensamentos Depressivos, BP.TT
Assunto(s):Psicometria  Depressão  Pensamentos disfuncionais  Diagnóstico psicológico  Terapia cognitivo-comportamental  Promoção da saúde 

Resumo

A influência das crenças disfuncionais/ irracionais para o desenvolvimento de transtornos mentais é apresentada em diversos estudos, e se mostra enquanto uma problemática a ser trabalhada pelos profissionais da área da saúde mental, principalmente, pelo psicoterapeuta. A partir deste pressuoposto, diferentes instrumentos de testagem psicológica focados na avaliação desta temática foram desenvolvidos no exterior, inclusive, alguns deles traduzidos e adaptados para a realidade brasileira, entretanto, sem serem específicos para avaliação de transtornos mentais como a depressão, a qual se configura como uma das principais causas de incapacitação mundial. Visando contribuir para este cenário, o desenvolvimento de um instrumento de pensamentos de depressão torna-se relevante, assim sendo, este projeto tem como objetivo buscar evidências de validade de critério para a versão inicial de uma Escala de Pensamentos Depressivos. A elaboração dos itens desta escala foi realizada tendo por base 11 instrumentos de avaliação de crenças disfuncionais/ irracionais e a tríade cognitiva proposta por A. T. Beck, resultando em 249 descritores. Após eliminação de itens dúbios contidos nas escalas ou inapropriados para o objetivo, o conjunto de descritores foi aplicado em uma população psiquiátrica (n= 10) e não psiquiátrica (n=20) restando 103 itens. Assim, para verificação se a escala mensura o que se propõe, deverá ser submetida a diferentes estudos de validação, sendo eles por meio da análise de seus itens com outros instrumentos (buscando relações de concorrência, convergência e discriminância), de seu conteúdo (análise de juízes) e a de critério (grupos depressivos e não depressivos) foco deste trabalho. (AU)