Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de biofármaco a partir de plataforma de produção de anticorpos monoclonais recombinantes

Processo: 12/51054-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de fevereiro de 2013 - 31 de outubro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Pesquisador responsável:Sandro Gomes Soares
Beneficiário:Sandro Gomes Soares
Empresa:Invent Biotecnologia Ltda. - ME
Município: Ribeirão Preto
Auxílios(s) vinculado(s):15/50066-3 - Desenvolvimento de biofármaco a partir de plataforma de produção de anticorpos monoclonais recombinantes, AP.PIPE
Bolsa(s) vinculada(s):12/25454-1 - Desenvolvimento de biofármaco a partir de plataforma de produção de anticorpos monoclonais recombinantes, BP.PIPE
Assunto(s):Biofarmacologia  Fármacos  Anticorpos monoclonais 

Resumo

Desde o estabelecimento da técnica de hibridomas para a produção de anticorpos monoclonais, estes se tornaram a ferramenta mais atrativa para o desenvolvimento de fármacos. Apesar do seu potencial, poucas moléculas (cerca de 30 medicamentos) estão disponíveis no mercado. O número reduzido é mais em função dos alvos identificados do que em relação aos efeitos adversos associados ao seu uso. Mesmo assim, estes poucos produtos geram receitas anuais próximas a US$ 45 bilhões. No que diz respeito aos efeitos adversos, houve uma evolução para a produção de anticorpos mais próximos do equivalente humano, como moléculas quiméricas ou humanizadas obtidas a partir de produtos de hibridomas e até mesmo a produção de anticorpos totalmente humanos. Alguns destes anticorpos estão com patente expirada ou próximo de expirar e apresentam-se como uma oportunidade de mercado para as farmacêuticas brasileiras, tendo em vista todo o apoio governamental para a substituição de importados estratégicos. Dentre estes anticorpos, encontra-se o Alemtuzumab (Campath®), anticorpo monoclonal quimérico indicado para o tratamento de pacientes com leucemia linfocítica crônica e, em vias de aprovação pelo FDA para uso no tratamento da esclerose múltipla. O projeto em tela propõe, em sua primeira fase, a produção da região Fab do Alemtuzumab utilizando a tecnologia de "phage display". O uso desta técnica propiciará a rápida produção de fagos-anticorpos para validação da região Fab expressa, bem como permitirá a sua aplicação na introdução de mutações que melhorem a performance do anticorpo, trabalhando dentro do conceito dos "biobetters". (AU)