Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da contaminação ambiental por agrotóxicos e biomonitoramento do impacto sobre as comunidades de macroinvertebrados no rio Eta, município de Sete Barras, Vale do Ribeira - SP

Processo: 12/22290-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2013 - 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Luiz Carlos Luchini
Beneficiário:Luiz Carlos Luchini
Instituição-sede: Instituto Biológico (IB). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Eliane Vieira ; Giovana Bertini
Assunto(s):Agricultura  Agrotóxicos  Poluição de águas subterrâneas  Ecossistemas aquáticos  Bentos de água doce  Qualidade da água  Rios 

Resumo

Nos últimos anos os ecossistemas aquáticos têm sido fortemente alterados em função do aumento das fronteiras agrícolas e do aumento desordenado das atividades humanas, o que gera grande preocupação em relação à disponibilidade e à qualidade dos recursos hídricos. A agricultura é um dos principais componentes da economia mundial que contribui de forma cada vez mais acentuada para a degradação da qualidade da água através do lançamento de poluentes como agrotóxicos, sedimentos, fertilizantes, adubo de origem animal e outras fontes de matéria orgânica e inorgânica. Esses produtos, quando aplicados sobre os campos de cultivo, podem atingir os corpos de água diretamente, através da água da chuva e da irrigação ou indiretamente através da percolação no solo, chegando aos lençóis freáticos. Dessa maneira a ação antrópica pode causar impacto ao ambiente aquático no decorrer dos anos, atingindo as comunidades de plantas e animais habitantes de tais locais. O monitoramento dos resíduos de agrotóxicos e o biomonitoramento da fauna dos macroinvertebrados bentônicos no rio Etá, localizado no Vale do Ribeira, município de Sete Barras - São Paulo, através de parâmetros físicos, químicos e biológicos, será empregado com o propósito de se obter informações comparativas sobre a qualidade da água do rio em áreas preservadas e em regiões próximas a bananicultura. O projeto será implantado no município de Sete Barras, localizado no Vale do Ribeira, mesorregião do Litoral Sul Paulista, na bacia do Rio Ribeira de Iguape. A hidrografia de Sete Barras abrange os rios Ribeira de Iguape, Quilombo, Ipiranga, Etá e outros menores. O Rio Etá foi o escolhido para o desenvolvimento do projeto, pois este nasce no Parque Estadual Intervales e no decorrer de seu percurso começa a ter influência antrópica, causando supressão vegetal das margens para as culturas de banana. Para realização deste estudo as coletas serão realizadas mensalmente durante um ano no Rio Etá. Os pontos serão ao longo do rio apresentando quatro pontos da seguinte forma: em área preservada (ponto 1), área de transição (preservada e cultivada) (ponto 2), em área de cultivo (ponto 3) e após o cultivo (ponto 4). Durante a coleta serão analisados os parâmetros físico-químicos da água do Rio Etá, com auxilio do sistema multi-eletrodos U-22XD, marca Horiba com realizações das seguintes variáveis: profundidade máxima do ponto, temperatura do ar e da água (°C), turbidez (STU), condutividade elétrica (¼S/cm), potencial hidrogeniônico (PH), oxigênio dissolvido (mg/L), sólidos totais dissolvido (mg/L), potencial redox (mv). Também serão realizadas amostras de águas em cada ponto de coleta com auxilio de baldes, as quais serão acondicionadas em frascos e levadas ao laboratório. Essas amostras serão filtradas com auxilio de um manifold e analisadas por meio da cromatografia líquida de alta eficiência a fim de detectar a presença de agrotóxicos na água do rio Etá. Os macroinvertebrados serão coletados com esforço de coleta de duas pessoas a um tempo de duração de vinte minutos em cada réplica. Serão efetuadas três réplicas em cada ponto de coleta, sendo que elas apresentarão distância de 100 metros uma da outra. Os materias utilizados para essa coleta serão uma rede do tipo D (malha de 250 ¼m) e peneira comum de cozinha, onde serão passadas sobre o sedimento do rio. O material coletado será disposto em bandejas plásticas e com auxilio de pinças e lupas manuais os organismos serão triados e acondicionados em frascos previamente etiquetados, contendo álcool 70% para a rápida fixação e preservação dos indivíduos. Os organismos triados serão transportados ao laboratório para analises. Em laboratório os indivíduos serão analisados com auxilio de um estereomicroscópio e serão identificadas em nível de família com auxilio de chaves de identificação (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.