Busca avançada
Ano de início
Entree

Políticas de desenvolvimento de atividades tecnológicas em filiais brasileiras de multinacionais

Processo: 03/06388-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas
Vigência: 01 de agosto de 2004 - 31 de agosto de 2007
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Economia - Economia Industrial
Pesquisador responsável:Sérgio Robles Reis de Queiroz
Beneficiário:Sérgio Robles Reis de Queiroz
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IG). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Instituição parceira: Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado)
Assunto(s):Mudança tecnológica  Política de desenvolvimento  Empresas multinacionais  Política nacional de ciência, tecnologia e inovação 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Pesquisa...publicas_65_71_71.pdf

Resumo

Desde os anos oitenta é possível observar um significativo movimento de integração mundial das funções corporativas das empresas multinacionais (EMNs). A função tecnológica também faz parte desse processo, à medida que a integração mundial das atividades tecnológicas, as de P&D em particular, vem favorecendo a criação de redes globais de P&D no interior das EMNs. A necessidade de aproveitar ao máximo as capacidades existentes nos diversos países de implantação dessas firmas e ao mesmo tempo racionalizar o processo de geração de conhecimento conduz a novas configurações dos esforços tecnológicos. Isto significa mudança no número de localizações em que atividades tecnológicas são executadas, no processo de definição dessas localizações e nas atribuições correspondentes. As atividades tecnológicas das EMNs fora de seus países de origem, que costumavam ser vistas como marginais, passaram a ser destacadas pela crescente literatura internacional sobre internacionalização da P&D. Ainda assim, com poucas exceções, os países em desenvolvimento parecem à margem do fenômeno. Esse fenômeno coloca um conjunto de questões relativas à inserção das filiais brasileiras nas redes globais de P&D das EMNs. Por exemplo, em que medida o país vem recentemente atraindo investimentos em atividades de P&D das multinacionais? Quais os fatores que afetam essa capacidade de atração? Que políticas podem estimular esses investimentos? Quais os efeitos desses investimentos sobre o processo de aquisição local de capacidades tecnológicas? A resposta a questões desse tipo é de grande relevância para as políticas relacionadas ao investimento direto externo e ao desenvolvimento tecnológico do país. A pesquisa pretende ajudar a responder essas e outras questões que as antecedem por meio de uma análise das características das unidades tecnológicas das filiais de EMNs, articulando-a aos processos de reestruturação observados em nível internacional e às políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
Investimento emergente 
Investimento emergente