Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão e análise das proteínas estruturais recombinantes dos vírus dengue-2 e febre amarela produzidas por baculovírus

Processo: 12/23522-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2013 - 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Benedito Antônio Lopes da Fonseca
Beneficiário:Benedito Antônio Lopes da Fonseca
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):14/10537-4 - Expressão e análise das proteínas estruturais do vírus dengue-2 e febre amarela em baculovírus, BP.TT
13/07187-9 - Expressão e análise das proteínas estruturais recombinantes dos vírus dengue-2 e febre amarela produzidas por baculovírus, BP.TT
Assunto(s):Doenças parasitárias  Vírus da dengue  Vírus da febre amarela  Proteínas recombinantes  Glicoproteínas  Expressão de proteínas  Baculoviridae  Resposta imune 

Resumo

Os vírus dengue (DENV) e da febre amarela (YFV) são os principais arbovírus (vírus transmitidos por artrópodes) circulantes no Brasil e ambos são transmitidos por mosquitos do gênero Aedes, causando as doenças denominadas dengue e febre amarela, respectivamente. A dengue é hoje, em nível mundial, a doença humana transmitida por um arbovírus de maior significância à saúde pública. Estes vírus são prevalentes principalmente países de regiões tropicais e subtropicais, com uma estimativa de aproximadamente 50 a 100 milhões de novos casos de dengue por ano. A febre amarela é prevalente nas regiões tropicais das Américas e África e responsável por casos esporádicos da doença, geralmente com gravidade maior do que a dengue. Os vírus dengue possuem quatro sorotipos denominados dengue-1, 2, 3 e 4 (DENV-1 a -4) enquanto que o vírus da febre amarela possui apenas um sorotipo dominante. A dengue apresenta-se como infecções que variam desde infecções assintomáticas até quadros clínicos extremamente graves caracterizados hipotensão, sangramentos de graus variados e choque circulatório, além de manifestações não menos graves, caracterizadas pelo acometimento neurológico, hepático e miocárdico, por exemplo. Até o momento, não existe tratamento medicamentoso específico para a dengue e nem uma vacina que proteja contra a infecção por estes vírus. A febre amarela também tem uma gama de apresentações clínicas que tem em sua forma mais grave, caracterizada por falência hepática e sangramento generalizado, uma doença de alta taxa de letalidade. Em contrapartida, existe uma vacina extremamente imunogênica contra o vírus da febre amarela, mas que, em uma pequena porcentagem dos casos, apresenta uma exacerbada reatogenicidade, apresentando um efeito adverso grave caracterizado por um importante viscerotropismo e alta taxa de letalidade. Por estas razões, com este projeto, estamos visando a produção de proteínas recombinantes destes vírus em um sistema eucarioto, para que as glicoproteínas da superfície do envelope do DENV-2 e YFV sofram um processamento pós-traducional próximo àquele da infecção pelo vírus selvagem e expressas como proteínas que sejam reconhecidas pelo sistema imune como proteínas naturais destes dois vírus. Este projeto destina-se a produzir as proteínas destes dois vírus como um protótipo para, se obtivermos sucesso, tentarmos expressar estas proteínas estruturais dos outros sorotipos dos DENV, para uso em métodos diagnósticos e quiçá na produção de uma vacina tetravalente contra os vírus dengue. Este projeto tem a colaboração do Prof. Dr. Yorgo Modis, da Universidade de Yale, onde um dos alunos participantes poderá ir aperfeiçoar a técnica de expressão de proteínas recombinantes em baculovírus. Os genes das proteínas estruturais prM/E serão amplificados, clonados e transfectados em baculovírus e expressos em células Sf9 para a produção das proteínas recombinantes. Após constatação da expressão adequada destas proteínas, estas serão usadas para inocular camundongos e analisar a resposta imune destes camundongos frente às proteínas naturais dos vírus dengue e febre amarela. (AU)