Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de biomateriais híbridos bioativos baseados na poli(e-caprolactona) para aplicações na engenharia de tecidos biológicos

Processo: 12/51074-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - PAPPE / PIPE III
Vigência: 01 de julho de 2013 - 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica
Convênio/Acordo: FINEP - PAPPE-PIPE III
Pesquisador responsável:Olga Zazuco Higa
Beneficiário:Olga Zazuco Higa
Empresa:Laboratório Biosintesis P & D do Brasil Ltda
Município: São Paulo
Vinculado ao auxílio:06/56731-0 - Desenvolvimento de biomateriais híbridos bioativos baseados na poli(e-caprolactona) para aplicações na engenharia de tecidos biológicos, AP.PIPE
Assunto(s):Biomateriais  Tecidos (anatomia)  Engenharia tecidual 

Resumo

No desenvolvimento inicial desse trabalho foram realizados estudos preliminares para a comprovação de sua viabilidade técnica. Esses estudos receberam financiamento inicial pela FAPESP por meio das Fase I e II do PIPE, e também por financiamento direto por parte da própria empresa. O projeto foi realizado em co-execução da empresa com o Centro de Biotecnologia do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (CB-1PEN), e colaboração da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). A proposta do projeto fundamentou-se na inovação tecnológica e na aplicação clínica, em estudos experimentais com polímeros biodegradáveis para fixação de fraturas e micro-implantes, em cirurgias ortopédicas e ortodônticas. Na engenharia de tecidos, a melhor maneira de se reparar um defeito ósseo é estimulando-se o próprio tecido ao auto-reparo e dessa forma a biodegradabilidade é um importante requisito para um biomaterial sintético que será utilizado no reparo ósseo. Sistemas implantáveis compostos por biomateriais não biodegradáveis precisam ser removidos posteriormente, o que requer novos processos cirúrgicos. Por outro lado, os biodegradáveis são totalmente absorvidos pelo organismo, não necessitando remoção subseqüente e proporcionando melhor adesão e aceitação dos pacientes. O poli(e-caprolactona) (PCL) tem sido alvo de intensas pesquisas nesta área destacando-se por suas aplicações como matriz para o crescimento celular e por suas propriedades físico-químicas, mecânicas e biológicas (biocompatibilidade e biodegradabilidade), adequadas ao processo de restauração do tecido ósseo. Assim, os resultados preliminares obtidos demonstraram: Viabilidade na síntese do PCL pelo mecanismo geral da polimerização do monômero ε-CL induzida pelo iodo; Formação de uma estrutura macroporosa com diâmetro médio de poros de 5 a 10 pm nas partículas (pós) do polímero, verificada por análise micrográfica em microscopia eletrônica de varredura (MEV). Boa concordância com os valores do polímero comercial (Sigma®), comprovados por meio dos espectros obtidos por análises de deslocamentos químicos dos prótons por 1H-NMR e pelas bandas de absorção da carbonila a 1720 cm-1 por FTIR; Características de biocompatibilidade desejáveis como biomaterial, tais como ausência de citotoxicidade, genotoxicidade, toxicidade sistêmica e imunotoxicidade, as quais evidenciaram os níveis de segurança e eficácia nos modelos experimentais in vitro e in vivo estudados. Tendo em vista essas características, justificou-se a continuação dos trabalhos para a Fase PAPPE - PIPE III 2012, com vistas à adequação a normas, certificações técnicas, comprovações de desempenho e estudos técnicos de performance, viabilidade técnica para produção em escala, obtenção de patentes e propriedade intelectual dos processos e produtos resultantes, e registros junto aos órgãos reguladores e certificadores no Brasil e Exterior (ANVISA, INMETRO, FDA). (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.