Busca avançada
Ano de início
Entree

Detecção do vírus da imunodeficiência humana (HIV) em plaquetas expostas ao vírus: avaliação do polimorfismo HPA -1, -3 e -5

Processo: 12/17550-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Maria Inês de Moura Campos Pardini
Beneficiário:Maria Inês de Moura Campos Pardini
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Lenice Do Rosário de Souza ; Rejane Maria Tommasini Grotto
Assunto(s):Virologia  HIV  Antígenos CD4  Antígenos de plaquetas humanas  Polimorfismo genético  RNA viral 

Resumo

A aids é uma síndrome decorrente da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), o qual apresenta como principal receptor de entrada na célula alvo a molécula CD4 e o correceptor CCR5 e/ou CXCR4. Estudos demonstraram que o HIV também possui a capacidade de infectar células e partículas CD4-, como as plaquetas. Uma vez que estas não possuem o principal receptor de entrada do vírus, outras moléculas são candidatas à interação plaqueta-vírus, tais como moléculas de adesão e, estas já foram associadas com a entrada de outros vírus em suas células alvo. Na membrana plaquetária estão ancoradas moléculas de adesão, as quais possuem determinantes antigênicos conhecidos como Antígenos Plaquetários Humanos (HPA). Estes são polimórficos e vêm sendo crescentemente associados a infecções virais. Desta forma, este trabalho tem como objetivo avaliar a presença do RNA viral associado às plaquetas de doadores não infectados pelo HIV, mas expostas in vitro ao vírus, e correlacionar o polimorfismo do sistema HPA -1, -3 e -5 com a concentração de RNA viral nas plaquetas do mesmo grupo de pacientes. Serão utilizadas plaquetas obtidas de sangue periférico a partir de 50 doadores voluntários não infectados pelo HIV, as quais serão expostas ao vírus in vitro. A análise do polimorfismo do HPA será realizada pela técnica de PCR-SSP e PCR-RFLP. O RNA viral nas plaquetas será quantificado pela metodologia qPCR. (AU)