Busca avançada
Ano de início
Entree

A multi-locus approach to barcoding in the Anopheles strodei subgroup (Diptera: Culicidae)

Processo: 13/07121-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de junho de 2013 - 30 de novembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Pesquisador responsável:Maria Anice Mureb Sallum
Beneficiário:Maria Anice Mureb Sallum
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Anopheles 

Resumo

A capacidade de identificar com sucesso e incriminar vetores de patógenos é fundamental para controle de doenças de transmissão indireta com a participação de insetos vetores. Esta tarefa é confundida pela existência de complexos de espécies crípticas. Marcadores moleculares podem oferecer um meio muito eficaz para a identificação de espécies de tais complexos e são rotineiramente empregados no estudo de entomologia médica. Aqui podemos avaliar um sistema de multi-gênico para a identificação de potenciais vetores da malária no subgrupo Anopheles strodei.As larvas, pupas e mosquitos adultos (n = 61) do subgrupo Strodei foram coletados de 21 localidades em nove estados brasileiros e sequenciados para os genes COI, ITS2 e White. Uma abordagem filogenética Bayesiana foi usada para descrever as relações dentre os membros do subgrupo strodei . A utilidade dos marcadores COI e ITS2 foi avaliada.Os resultados das análises filogenéticas Bayesiana dos genes COI, ITS2 e Whitedemonstraram a presença sete agrupamentos dentro do subgrupo. Os códigos de barras COI e ITS2 foram individualmente avaliados em resolução e identificação de espécies do subgrupo. O COI não conseguiu resolver An. albertoi e An. strodei, enquanto que o código de barras ITS2 não conseguiu resolver An. arthuri , identificando com sucesso cerca de 60% de todas as espécies. A análise multiloci COI-ITS2, no entanto, permitiu recuperar todas as espécies.Nosso estudo confirmou a existência de An. albertoi, An. Forma CP e An. strodei como membros do subgrupo An. strodei e identificou quatro espécies que haviam sido confundidas com An. arthuri. Essas formas foram denominadas An. arthuri A-D. A utilização de um código de barras de multi-locus deverá ser proposta para a identificação das espécies, o poderá ter utilidade para a identificação correta e incriminação dos mosquitos vetores. Indivíduos previamente encontrados naturalmente infectados com Plasmodium vivax no sul da bacia Amazônica e relatado como sendo de An. strodei parecem ser susceptíveis à infecção por plasmódios humanos. (AU)