Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos níveis de ansiedade experimental induzida em voluntários saudáveis após administração aguda da agomelatina

Processo: 13/00450-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de maio de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:José Alexandre de Souza Crippa
Beneficiário:José Alexandre de Souza Crippa
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Antonio Waldo Zuardi ; Jaime Eduardo Cecilio Hallak ; Mateus Machado Bergamaschi ; Regina Helena Costa Queiroz
Assunto(s):Antidepressivos  Agomelatina  Transtornos de ansiedade  Fobia social 

Resumo

A agomelatina é um novo antidepressivo da classes dos agonistas dos receptores melantoninérgicos (MT1 e MT2) e antagonista dos receptores serotoninérgticos (5-HT2c). Estudos sugerem que a agomelatina apresenta propriedades ansiolíticas, porém até o momento há apenas um estudo de caso com 1 paciente com transtorno de ansiedade social (TAS), nunca testado em estudos randomizados e controlado por placebo. Ao contrário das outras classes de antidepressivos, a agomelatina não causa aumento de massa corpórea, disfunção sexual ou síndrome de abstinência. Este trabalho objetiva avaliar o efeito ansiolítico da agomelatina em voluntários saudáveis submetidos ao Teste de Simulação de Falar em Público (TSFP) e ao Reconhecimento Facial. Agomelatina, citalopram, venlafaxina ou placebo serão administrados em dose única via oral em voluntários saudáveis (n=14). Todos os sujeitos serão submetidos ao TSFP, em um procedimento duplo-cego e posteriormente ao teste de reconhecimento de expressões faciais dinâmicas de seis emoções básicas (alegria, tristeza, nojo, raiva, medo e surpresa). Para a avaliação dos estados subjetivos de ansiedade durante o TSFP serão utilizadas as seguintes escalas de auto-avaliação: 1. Escala Analógica de Humor; 2. Escala de Sintomas Corporais; 3. Versão de "estado" da escala de auto-avaliação ao falar em público. Também serão realizadas as medidas de frequência cardíaca, pressão arterial, condutância da pele e número de flutuações espontâneas da condutância da pele. Os resultados deste projeto poderão contribuir para um maior conhecimento do potencial efeito terapêutico da agomelatina na ansiedade clínica. Com estas informações poderemos ajudar pessoas portadoras de transtornos ansiosos, melhorando a forma de tratamento dessas pessoas. (AU)