Busca avançada
Ano de início
Entree

Anticorpos monoclonais para tratamento de tumores do sistema nervoso central

Processo: 08/57914-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de janeiro de 2010 - 30 de junho de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Pesquisador responsável:Maria Carolina Braga Tuma
Beneficiário:Maria Carolina Braga Tuma
Empresa:Recepta Biofarma S/A (Recepta)
Município: São Paulo
Auxílios(s) vinculado(s):11/50526-3 - Anticorpos monoclonais para tratamento de tumores do sistema nervoso central, AP.PIPE
Assunto(s):Sistema nervoso central  Neoplasias  Anticorpos monoclonais 

Resumo

Tumores malignos do Sistema Nervoso Central (SNC), entre os quais o glioblastoma (GB), tem algo grau de malignidade com sobrevida média após o diagnóstico de 17 semanas sem tratamento e 30 semanas após cirurgia e radioterapia, podendo ser aumentada para 50 semanas com uso de quimioterapia, embora implicando em muitos efeitos colaterais. Anticorpos monoclonais (mAb) são uma nova geração de medicamentos na área da Oncologia cuja ação é de inibir a progressão da doença, aumentando o tempo e a qualidade de sobrevida. Existem atualmente 9 anticorpos monoclonais já aprovados pelo FDA e em uso clínico. O projeto propõe a obtenção de anticorpos monoclonais contra dois marcadores de glioblastomas que podem ser protetores contra esses tumores. Esses marcadores mostraram expressão aumentada em glioblastomas em comparação à sua expressão em tecidos normais. Os marcadores, a proteína proteolipídica 2 (PLP2) e a lisil oxidase (LOX) diferem na sua distribuição, a primeira sendo transmembrana e a segunda uma enzima secretada. Ao contrário da resposta citotóxica habitual de anticorpos sítio específicos que envolvem reações complemento dependentes ou ADCC, no caso de tecidos imuno-privilegiados como o cérebro, espera-se que os anticorpos possam ter efeitos neutralizantes diretos contra as proteínas alvo e possam ser administrados regionalmente após excisão tumoral. Os anticorpos serão obtidos pela imunização de peptídeos selecionados das proteínas conjugados para obtenção de melhores títulos e os anticorpos policlonais primários serão testados em ensaios de funcionalidade para validação dos alvos em experiências de proteção antitumoral. O projeto é uma inovação na área de Oncologia do SNC e pode representar um tratamento adjuvante do glioblastoma. A Recepta Biopharma é a única empresa no País que está associada à produção, ensaio e administração clínica de anticorpos monoclonais no tratamento de neoplasias e essa é a primeira iniciativa envolvendo tumores de alta malignidade do SNC. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
O marco dos anticorpos