Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do interferon beta sobre a reatividade astroglial e plasticidade sináptica após lesão do nervo ciático

Processo: 05/03159-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2006 - 31 de maio de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Alexandre Leite Rodrigues de Oliveira
Beneficiário:Alexandre Leite Rodrigues de Oliveira
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Neurobiologia  Plasticidade neuronal  Regeneração nervosa  Membranas sinápticas  Neuroglia  Astrócitos  Interferon beta 

Resumo

Acredita-se que após uma lesão periférica, os astrócitos desempenhem papel significativo no processo de plasticidade sináptica medular. Apesar disso, os mecanismos moleculares que desencadeiam e orquestram esse processo continuam pouco conhecidos. Em motoneurônios medulares, após uma lesão axonal, os terminais pré-sinápticos sofrem retração e processos astrocitários interpõem-se entre estes e a membrana pós-sináptica. Também como resposta à lesão, ocorre o aumento da expressão de moléculas do complexo de histocompatibilidade principal (MHC classe I) pelos neurônios e pelas células gliais. Recentemente, estas moléculas têm sido correlacionadas com o processo de plasticidade sináptica durante o desenvolvimento, bem como após lesão. No presente trabalho, o interferon beta (IFN beta) será utilizado com intuito de modular a reatividade astroglial e a expressão de MHC classe I, objetivando a análise do processo de retração sináptica a nível medular. Para tanto, serão utilizadas fêmeas C57BL/6J com seis a oito semanas. O tratamento dar-se-á durante duas semanas em dias alternados (10.000 unidades de IFN diluídas em 0,20 ml de veículo). Ao final da primeira semana de tratamento, os animais serão submetidos à transecção do nervo ciático esquerdo. Um grupo placebo e um grupo não tratado serão utilizados como controle. Os efeitos do IFN beta também serão estudados in vitro, através do emprego de culturas purificadas de astrócitos. Estas serão tratadas durante cinco dias consecutivos com diferentes dosagens de IFN beta (100, 500 e 1000 unidades/ml de meio de cultura). Os resultados serão analisados através de imunohistoquímica, através da imunomarcação para o MHC classe I, GFAP e ezrin, microscopia eletrônica de transmissão e hibridação in situ. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ZANON, R. G.; CARTAROZZI, L. P.; VICTORIO, S. C. S.; MORAES, J. C.; MORARI, J.; VELLOSO, L. A.; OLIVEIRA, A. L. R. Interferon (IFN) beta treatment induces major histocompatibility complex (MHC) class I expression in the spinal cord and enhances axonal growth and motor function recovery following sciatic nerve crush in mice. NEUROPATHOLOGY AND APPLIED NEUROBIOLOGY, v. 36, n. 6, p. 515-534, OCT 2010. Citações Web of Science: 22.
ZANON‚ RG; OLIVEIRA‚ ALR. MHC I upregulation influences astroglial reaction and synaptic plasticity in the spinal cord after sciatic nerve transection. Experimental Neurology, v. 200, n. 2, p. 521-531, 2006.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.