Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do treinamento aeróbio sobre o controle autonômico da frequência cardíaca e pressão arterial em ratos submetidos ao modelo de hipertensão experimental L-NAME

Processo: 05/02550-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2006 - 31 de dezembro de 2007
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Hugo Celso Dutra de Souza
Beneficiário:Hugo Celso Dutra de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Reabilitação (terapêutica médica)  Exercício físico  Hipertensão  Frequência cardíaca  Pressão sanguínea  Óxido nítrico  NG-nitroarginina metil éster  Sistema nervoso autônomo 

Resumo

A evolução do modelo de hipertensão induzida pela inibição da óxido nítrico sintase com NG-nitro-L-arginina-metil-ester (L-NAME) é caracterizada pela diminuição da capacidade vascular de relaxamento. Adicionalmente, também tem sido observado que esse modelo de hipertensão apresenta como característica uma diminuição na sensibilidade do barorreflexo, associada com um acentuado aumento da atividade simpática cardiocirculatória. Por outro lado, o treinamento com exercício aeróbio apresenta como conseqüência a redução da atividade simpática cardiocirculatória. Portanto, o objetivo do presente estudo é avaliar em ratos se o treinamento com exercício aeróbio por 12 semanas é capaz de prevenir ou atenuar as alterações autonômicas observadas neste modelo de hipertensão. Os animais serão divididos em quatro grupos distintos; grupo de normotensos, grupo de hipertensos pela administração de L-NAME, grupo de treinados em esteira motorizada durante 12 semanas e grupo de treinados submetidos à administração de L-NAME. Todos os animais serão submetidos ao procedimento experimental para registro da pressão arterial e freqüência cardíaca para avaliação da função autonômica cardiovascular. Essa avaliação será realizada por três diferentes protocolos: averiguação farmacológica do tônus simpático/vagal; avaliação da sensibilidade do reflexo barorreceptor por meio da administração de fenilefrina e nitroprussiato de sódio; análise da variabilidade da freqüência cardíaca e pressão arterial por meio da análise espectral. (AU)