Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo de novas abordagens quimioterápicas para o tratamento de leishmaniose

Processo: 05/04590-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2006 - 31 de maio de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Silvia Reni Bortolin Uliana
Beneficiário:Silvia Reni Bortolin Uliana
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Leishmaniose  Tamoxifeno  Quimioterapia  Terpenos  Nerolidol  Limonenos  Dimetilaliltranstransferase 

Resumo

As leishmanioses representam doenças de difícil tratamento e com múltiplas apresentações clínicas, mutilantes, incapacitantes ou até fatais. A terapêutica dessas doenças baseia-se em compostos de administração parenteral com efeitos tóxicos importantes e aos quais a resistência de espécies de Leishmania vem aumentando expressivamente. Três grupos de compostos têm sido alvo de investigação em nosso laboratório quanto à sua atividade leishmanicida: alguns terpenos, o fármaco antineoplásico tamoxifeno e doadores de óxido nítrico. Os terpenos são produtos da via de síntese de isoprenóides em plantas e estão presentes em uma grande variedade de alimentos e óleos voláteis, principalmente óleos cítricos. A atividade antimicrobiana e antitumoral de alguns terpenos tem sido demonstrada em vários sistemas e parece depender principalmente de inibição da via de biossíntese de isoprenóides. Recentemente demonstramos que o nerolidol apresenta atividade leishmanicida in vitro e in vivo, inibindo a síntese de farnesil pirofosfato. Observamos também que o limoneno, um monoterpeno cíclico, é capaz de inibir o crescimento in vitro de Leishmania e apresenta boa atividade no tratamento de animais experimentalmente infectados. O limoneno é metabolizado por várias espécies de mamíferos, sendo transformado em álcool perílico, perilaldeído e finalmente ácido perílico. Esses compostos são bem absorvidos pelo trato gastrointestinal e já foram utilizados em testes clínicos de fase I para terapia de neoplasias. Suas propriedades antiparasitárias ainda não são conhecidas. Os resultados obtidos com limoneno no tratamento de leishmaniose experimental murina justificam aprofundar o estudo sobre seu mecanismo de ação. Consideramos também interessante testar a atividade de seus derivados, álcool, aldeído e ácido perílicos contra parasitas do gênero Leishmania, buscando esclarecer possíveis mecanismos de ação dessas drogas... (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.