Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do leite de ovelha como alimento funcional

Processo: 13/08565-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2013 - 30 de junho de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Produção Animal
Pesquisador responsável:Edson Ramos de Siqueira
Beneficiário:Edson Ramos de Siqueira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Giuseppina Pace Pereira Lima ; Pricila Veiga dos Santos
Bolsa(s) vinculada(s):13/15133-6 - Avaliação do leite de ovelha como alimento funcional, BP.TT
Assunto(s):Ovinocultura  Qualidade do leite  Alimentos funcionais  Ácido linoleico  Suplementação alimentar  Ácidos graxos 

Resumo

Alimentos funcionais são definidos como aqueles que fornecem benefícios adicionais aos da alimentação, podendo reduzir o risco de doenças. O ácido linoleico conjugado (CLA) é excelente à saúde humana e apresenta efeito nutracêutico, agindo sobretudo como anti- carcinogênico. Pode ser formado no rúmen através da biohidrogenação incompleta de ácidos graxos poli-insaturados fornecidos por ingredientes da dieta do animal, como por exemplo, a linhaça. A utilização de óleo na alimentação, como fonte de lipídeos ao invés de sementes de oleaginosas, pode aumentar o nível de ácido linoleico conjugado (CLA). Se o leite ou seus derivados revelarem presença de CLA e de compostos antioxidantes e nitrogenados (poliaminas, compostos fenólicos e nitratos), em níveis satisfatórios poderão ser comercializados com diferenciação, e propiciar agregação de valores na renda final do produtor. O experimento será conduzido na Unidade de Pesquisa em Produção de Leite Ovino - FMVZ/ UNESP- Botucatu, com 75 ovelhas da raça Bergamácia, divididas em três tratamentos: uma dieta controle (C) e duas outras com fontes de suplementação de gordura: óleo de linhaça (OL) e farelo de linhaça (FL). A alimentação será composta por silagem de milho como volumoso e concentrado específico para cada tratamento. Todas as ovelhas serão ordenhadas mecanicamente por 60 dias, com início no 31º dia após o parto. Durante o período de ordenha, a cada 14 dias, serão colhidas amostras de leite para análise de pH, acidez Dornic, densidade, quantidade de ureia excretada e determinação da composição centesimal bem como a contagem de células somáticas. A cada 14 dias, a partir do 5º dia após o parto, serão congeladas amostras de leite para perfil dos ácidos graxos, análises de poliaminas, flavonoides, compostos fenólicos, atividade antioxidante (DPPH), carotenoides e nitrato, no Laboratório do Departamento de Química e Bioquímica do Instituto de Biociências da UNESP/ Botucatu. O leite ordenhado será encaminhado ao Departamento de Gestão de Tecnologia Agroindustrial da Faculdade de Ciências Agronômicas - UNESP, Botucatu, onde será transformado em queijo similar ao minas meia cura e cura, com análises sensoriais, do perfil de ácidos graxos, da composição centesimal, da textura, dos aspectos microbiológicos e a vida de prateleira. Após a maturação dos queijos serão colhidas amostras para análises dos compostos antioxidantes e nitrogenados, bem como as microbiológicas e de testes sensoriais. (AU)