Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos de oncogênese na doença hepática crônica e carcinoma hepatocelular

Processo: 13/06287-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2013 - 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Ana de Lourdes Candolo Martinelli
Beneficiário:Ana de Lourdes Candolo Martinelli
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados: Ajith Kumar Sankarankutty ; Andreza Corrêa Teixeira ; Ênio David Mente ; Fernanda Maris Peria ; Jorge Elias Júnior ; Leandra Náira Zambelli Ramalho ; Leandro Machado Colli ; Matheus Waitman ; Natalia Ferreira Scatena ; Rodrigo do Tocantins Calado de Saloma Rodrigues ; Wilson Araújo da Silva Junior
Assunto(s):Hepatopatias  Neoplasias hepáticas  Carcinoma hepatocelular  Biomarcadores  Telômero  MicroRNAs  Análise de sequência de DNA 

Resumo

O carcinoma hepatoceluar (CHC) é tumor maligno primário do fígado que constitui grande problema de saúde pública no mundo. Representa a quinta neoplasia maligna mais frequente entre homens e, a terceira causa mundial de morte por câncer, com aproximadamente 90% dos casos de CHC associados à doença hepática crônica ou cirrose hepática. Apesar dos recentes avanços no diagnóstico e tratamento do CHC, a detecção precoce dessa neoplasia ainda constitui grande desafio aos pesquisadores. Ademais, o diagnóstico em fases avançadas da doença cursa com mau prognóstico e altas taxas de morbimortalidade. Assim, a descoberta de biomarcadores que possam contribuir para diagnóstico precoce do CHC tem se tornado alvo de pesquisadores em todo o mundo. Três são as principais classes de biomarcadores atualmente em estudo: sangue, tecido tumoral e peri-tumoral e, células tronco. No presente projeto, está prevista a avaliação do comprimento de telômeros, expressão de miRNAs e sequenciamento do genoma em pacientes portadores de CHC, hepatite C crônica e cirrose hepática, além de controles saudáveis. Serão estudados sangue, tumor e tecido peri-tumoral. O interesse nos biomarcadores propostos advém de poucos relatos na literatura internacional, e da necessidade de novas ferramentas que possam contribuir para melhor diagnóstico, tratamento e prognóstico de uma neoplasia maligna potencialmente curável, mas que ainda determina grande número de morbidade e óbito. (AU)