Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da adesividade, por microtomografia computadorizada durante teste push-out, de cimento endodôntico resinoso à dentina intra-radicular

Processo: 13/10151-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2013 - 31 de julho de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Endodontia
Pesquisador responsável:Manoel Damiao de Sousa Neto
Beneficiário:Manoel Damiao de Sousa Neto
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Cimentos dentários  Cimentos de resina  Adesividade  Microtomografia 

Resumo

A busca por um cimento endodôntico que reúna boas propriedades físico-químicas e biológicas tem sido alvo de diversos estudos nos últimos anos. Em relação aos cimentos resinosos, uma das propriedades mais pesquisadas é a adesividade. Neste contexto, os cimentos à base de metacrilato não têm demonstrado superioridade em relação aos cimentos à base de resina epóxica. Assim, um novo cimento endodôntico auto-adesivo denominado RealSeal XT foi formulado a partir da combinação de resinas metacrilato e epóxica. O objetivo geral do presente estudo será avaliar a adesividade do RealSeal XT à dentina intra-radicular, por meio teste de push-out, e o tipo de falha, por meio de microtomografia computadorizada (micro-CT). Serão selecionados 45 caninos extraídos de humanos cujas coroas serão removidas permanecendo raízes com 15 mm de comprimento. Os canais radiculares serão instrumentados com o sistema Reciproc (lima R50) e a irrigação será feita com hipoclorito de sódio a 1%. Em seguida, os canais serão preenchidos com 5 mL de EDTA a 17% durante 3 minutos seguido por uma irrigação com 5 ml de água destilada e secagem com pontas de papel absorvente. As amostras serão divididas aleatoriamente em três grupos conforme cimento obturador: G1 (n=15) - Reaseal XT; G2 (n=15) - Epiphany SE e G3 (n=15) - AHPlus. Os cimentos serão manipulados de acordo com as instruções dos fabricantes e inseridos nos canais radiculares com espiral de lentulo. Radiografias em diferentes angulações serão realizadas para verificar a ausência de espaços vazios nas obturações. As amostras serão armazenadas a 37oC e 100% de umidade durante um período de tempo três vezes maior do que o tempo de presa dos cimentos. Após esse período, 12 amostras em cada grupo serão seccionadas para obter fatias de 1 mm de espessura (3 por terço radicular: coronal, médio e apical) que serão submetidas ao teste de push-out. As outras 3 amostras (9 fatias por terço radicular) em cada grupo serão analisadas por microscopia eletrônica de varredura. O teste de push-out será conduzido por meio de dispositivo equipado com célula de carga e acoplado ao microtomógrafo será gerado um gráfico de carga (MPa) X deslocamento (mm) ou tensão X deformação. Durante os ensaios será possível escanear a amostra a qualquer tempo, assim, a partir do escaneamento microtomográfico e sua posterior reconstrução e obtenção dos modelos tridimensionais será realizada a análise qualitativa nos terços cervical, médio e apical para verificar a localização da linha de fratura em relação a massa obturadora e dentina radicular (dentina/massa obturadora, cone/cimento), e análise quantitativa da extensão (em mm) da mesma. Por ser um dispositivo fixo com posição estática, será possível comparar o espécime antes e depois do ensaio a partir da sobreposição dos modelos tridimensionais. Os dados de resistência de união ao teste de push-out serão submetidos à análise estatística. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BRITO-JUNIOR, MANOEL; LEONI, GRAZIELA BIANCHI; PEREIRA, RODRIGO DANTAS; FARIA-E-SILVA, ANDRE LUIS; GOMES, ERICA ALVES; SILVA-SOUSA, YARA TERESINHA; SOUSA-NETO, MANOEL DAMIAO. A Novel Dentin Push-out Bond Strength Model That Uses Micro-Computed Tomography. JOURNAL OF ENDODONTICS, v. 41, n. 12, p. 2058-2063, DEC 2015. Citações Web of Science: 6.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.