Busca avançada
Ano de início
Entree

O uso de método não invasivo para monitoramento da função ovariana em onças-pintadas (Panthera onca) via ensaio imunoenzimático e caracterização dos metabólitos de esteróides fecais por meio de cromatografia líquida de alta eficiência

Processo: 13/12757-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2013 - 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia
Pesquisador responsável:Valeria Amorim Conforti
Beneficiário:Valeria Amorim Conforti
Instituição-sede: Pró-Reitoria Adjunta de Pesquisa e Pós-Graduação. Universidade de Franca (UNIFRAN). Franca , SP, Brasil
Pesq. associados:Márcio Luís Andrade e Silva ; Ronaldo Gonçalves Morato
Assunto(s):Fisiologia animal  Reprodução animal  Ovário  Panthera onca  Esteroides fecais  Técnicas imunoenzimáticas  Cromatografia líquida de alta eficiência 

Resumo

A aplicação de tecnologias de reprodução assistida a espécies selvagens com risco de extinção tem despertado interesse entre pesquisadores e conservacionistas. Para que a aplicação dessas tecnologias tenha sucesso, é necessário um sólido conhecimento da fisiologia reprodutiva básica da espécie. O conhecimento da fisiologia ovariana, por exemplo, é um fator-chave para o desenvolvimento de protocolos eficazes de estimulação dos ovários em procedimentos como a inseminação artificial. Fêmeas felinas são conhecidas por apresentar um mecanismo de ovulação induzida; no entanto, já foi demonstrado que a ovulação espontânea também pode ocorrer em várias espécies de felídeos. Portanto, torna-se necessário saber se a espécie felina em questão pode apresentar episódios de ovulação espontânea, pois o aumento pós-ovulatório das concentrações de progesterona impossibilitam a estimulação ovariana desejada em protocolos de inseminação artificial. A onça-pintada (Panthera onca) - uma dos mais importantes espécies da fauna nativa brasileira - está entre as espécies cuja possibilidade de ovulação espontânea ainda precisa ser investigada. No entanto, antes de se investigar, por método não invasivo, a possibilidade de ovulação espontânea em uma espécie felina, é importante estabelecer um protocolo de mensuração de metabólitos de progesterona que efetivamente detecte as progestinas fecais mais relevantes para a espécie. Os kits comerciais de ensaio imunoenzimático disponíveis no mercado são desenvolvidos para detectar o hormônio original, no caso, a progesterona, mas não necessariamente detectariam com a mesma eficácia as progestinas fecais. Aumentos fisiológicos em progestinas fecais em amostras de onças-pintadas já foram observados em ciclos estrais aparentemente anovulatórios, mas ainda não se sabe se tais progestinas seriam de origem folicular ou lútea. Portanto, os objetivos deste estudo são: 1) caracterizar a composição dos metabólitos de esteroides presentes nas fezes de fêmeas intactas de onças-pintadas por meio de cromatografia líquida de alta eficiência ao longo de todo o ciclo estral utilizando a progesterona e o estradiol como referência; e 2) monitorar o ciclo estral dessas fêmeas de onça-pintada utilizando método não invasivo para a mensuração de estrógenos e progestinas fecais via ensaio imunoenzimático. Seis fêmeas de onça-pintada mantidas em cativeiro serão monitoradas longitudinalmente com relação à função ovariana durante 4 meses consecutivos de forma a detectar possíveis aumentos de progestinas fecais, que seriam indicativos de ovulação espontânea ou de atividade folicular, dependendo da fase do ciclo estral em que esses aumentos ocorram. A fase do ciclo estral será determinada pela análise das concentrações estrogênicas. Os resultados deste estudo fornecerão informações inéditas sobre a composição dos metabólitos de esteroides fecais e sobre a origem das progestinas fecais em onças-pintadas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
De olho no gato