Busca avançada
Ano de início
Entree

O trabalho na economia solidária: entre precariedade e emancipação

Processo: 13/12771-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de setembro de 2013 - 31 de agosto de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Outras Sociologias Específicas
Pesquisador responsável:Marcia de Paula Leite
Beneficiário:Marcia de Paula Leite
Instituição-sede: Faculdade de Educação (FE). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Economia solidária  Cooperativismo  Sociologia do trabalho 

Resumo

Este livro tem como um de seus principais objetivos analisar a difusão do trabalho associado em sua multiplicidade contraditória: como forma de rebaixamento de custos e precarização do trabalho, a partir de uma autonomia dos trabalhadores cooperados meramente formal; como alternativa de geração de trabalho e renda em empreendimentos ditos solidários; bem como enquanto formas democráticas de organização do trabalho, baseadas nos princípios do cooperativismo e da autogestão. A dimensão de gênero está presente em toda obra, aparecendo de forma transversal nas diferentes formas de inserção ocupacional analisadas.Buscamos, dessa forma, discutir experiências de geração de trabalho e renda que vêm sendo implementadas não só por prefeituras, mas também por ONGs e sindicatos, tentando elucidar questões, tais como: Em que medida as cooperativas e associações se apresentam efetivamente como forma de geração de trabalho e renda? Qual a sua capacidade real de se manter no mercado frente às fragilidades que lhes são inerentes e à acirrada competição a que estão expostas? Quais seriam as possibilidades de difusão dessas experiências enquanto política pública de geração de trabalho e renda? E enquanto política sindical? Buscamos ainda examinar no que concerne às cooperativas relacionadas à economia solidária questões voltadas para a elucidação dos ideais de transformação social, especialmente as que dizem respeito a novas formas de relação entre os gêneros, tais como: Quem são os homens e mulheres que procuram essas cooperativas? Qual a implicação da forma em que se organiza o trabalho sobre as relações de gênero no espaço das cooperativas e associações? Além disso, interessa-nos investigar as condições que viabilizam e garantem o sucesso de determinadas cooperativas e também que tornam outras inviáveis ou as transformam em mais uma experiência de trabalho precarizado, em moldes semelhantes aos das cooperativas de trabalho terceirizado. Por fim, preocupamo-nos em analisar em que medida o ideário solidário integra o cotidiano desses trabalhadores e trabalhadoras, ou se as condições de trabalho e necessidades de sobrevivência rapidamente pragmatizam as relações sociais, atenuando o caráter militante das propostas iniciais. (AU)