Busca avançada
Ano de início
Entree

Interação entre as rizobactérias Beijerinckia e Brevibacillus e calos de cana-de-açúcar

Processo: 13/14821-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 15 de janeiro de 2014 - 14 de abril de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Heloiza Ramos Barbosa
Beneficiário:Heloiza Ramos Barbosa
Pesquisador visitante: Teresa de los Milagros Orbera Raton
Inst. do pesquisador visitante: Universidad de Oriente, Cuba
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Bactérias fixadoras de nitrogênio  Fixação de nitrogênio  Rizosfera  Brevibacillus  Beijerinckiaceae  Cana-de-açúcar 

Resumo

A proposta do presente trabalho é associar rizobactérias diazotróficas isoladas de ambos, solo de canavial (Brevibacillus) e de solo de Cerrado (Beijerinckia) com calos de cana-de-açúcar. O objetivo é determinar que tipo de interações esses microrganismos desenvolvem com as plantas: benéficos, patogênicos ou neutros. Rizobactérias podem ser promotoras de crescimento vegetal e no caso destas bactérias em estudo, foram determinadas algumas dessas características após os isolamentos. Beijerinckia mostrou uma alta capacidade de reduzir acetileno, caracterizando-se, portanto, por elevada atividade de nitrogenase. Por outro lado, o gênero Brevibacillus é produtor de fitormônios como ácido indolacético e etileno. O trabalho propõe um modelo de co-cultura de calos de cana-de-açúcar com uma das bactérias e também, co-culturas com calo e as duas bactérias. Estes estudos se mostram vantajosos, pois, podem ser totalmente desenvolvidos in vitro. O modelo proposto também permite medidas de respostas de defesa das células vegetais. As co-culturas serão realizadas em meio líquido. Serão determinados: o crescimento bacteriano na forma de Unidades Formadoras de Colônias, a atividade da nitrogenase pelo método de redução de acetileno, a dosagem do conteúdo proteico dos calos, a produção de etileno e de ácido indolacético e respostas de defesa da planta: espécies reativas de oxigênio e óxido nítrico. Resultados de ensaios similares realizados com bactérias endofíticas mostraram-se bastante interessantes, pois o crescimento de algumas bactérias foi estimulado pelo calo, outras parcialmente inibido e outras foram mortas. Também se observou que as bactérias que recebem estímulo do calo devem transferir nitrogênio fixado para as células vegetais, uma vez que ocorre aumento do teor de proteína dos calos que foram cultivados em meio carente de N-combinado. O presente trabalho visa para o futuro, uma proposta de possíveis inoculantes para cana-de-açúcar, pois avaliando a interação entre as bactérias isoladas de canavial e células de cana, a possibilidade de obtenção de sucesso com tais inoculantes será grande. (AU)