Busca avançada
Ano de início
Entree

Programação fetal por restrição protéica: avaliação estrutural e molecular do testículo de ratos desmamados e adultos

Resumo

A programação fetal é a resposta permanente sobre a estrutura e as funções do organismo frente a estímulos ocorridos durante o período crítico de desenvolvimento intra-uterino. Diversos são os fatores ambientais que, impostos à vida fetal durante o seu desenvolvimento, podem levar à "programação fetal". Dentre eles, podemos citar a restrição alimentar materna ou a deficiência de nutrientes específicos. Ratos submetidos a condições adversas no balanço energético podem ter o desenvolvimento testicular modificado, podendo comprometer a capacidade reprodutiva através da supressão da secreção dos hormônios LH, FSH, PRL, IGF-I e testosterona. Os mecanismos pelos quais os estados nutricional e energético afetam o equilíbrio das funções reprodutivas, provavelmente envolvam a atuação da leptina e da grelina, que possuem papéis-chave no metabolismo. No entanto, as ações desses hormônios sobre a variedade de parâmetros reprodutivos ainda não foram totalmente caracterizados. Dessa forma, o objetivo do projeto é investigar o padrão das respostas histológicas, imunohistoquímicas, morfométricas e moleculares do testículo da prole ratos Wistar (21, e 120 dias de idade) de mães submetidas à restrição proteica no período de gestação e de lactação. Serão utilizados ratos da linhagem Wistar, do gênero masculino e feminino. Após a detecção da prenhez as fêmeas serão transferidas para caixas individuais para formação dos grupos maternos experimentais: Grupo 1: Mães alimentadas durante a gestação e lactação com dieta normoproteica ad libitum (17%); Grupo 2: Mães alimentadas durante a gestação e lactação com dieta hipoproteica ad libitum (6%). Oito filhotes serão mantidos com a mãe em gaiolas individuais durante o período de lactação. Após o desmame, um rato macho de cada mãe será sacrificado. Os demais ratos receberão dieta sólida padrão para roedores e água filtrada ad libitum até a idade de 120 dias, onde, então, serão sacrificados Os dados serão analisados separadamente por idades e comparados por meio de teste T, ao nível de 5% de significância. O projeto dará continuidade à linha de pesquisa desenvolvida no Departamento de Anatomia do IBB/UNESP pelo grupo de pesquisa em Biologia da Reprodução. (AU)