Busca avançada
Ano de início
Entree

Importância dos neurônios colinérgicos bulbares na regulação da bexiga urinária

Resumo

A micção e o armazenamento urinário dependem da coordenação entre duas unidades funcionais: a bexiga e a musculatura estriada do esfíncter uretral. O controle central da micção e armazenamento de urina envolve um mecanismo complexo e ainda não muito bem conhecido. A manutenção da excreção e armazenamento urinário depende de mecanismos reflexos, sendo que o reflexo de início da micção pode ser influenciado pelo Centro de Micção Pontina (PMC). O centro de armazenamento está no Centro Pontino de Armazenamento da Urina (PUSC), que se encontra ventrolateralmente ao PMC. Existem evidências sobre a existência de duas vias ascendentes da bexiga urinária ao PMC e duas vias descendentes do PMC à bexiga, porém, uma seria direta e outra indireta via neurônios bulbares. A estimulação de áreas que controlam a função cardiovascular, como a Região Rostro Ventrolateral (RVL), o Núcleo do Trato Solitário (NTS) e a Região Caudo Ventrolateral (CVL) localizados no bulbo, produziu alterações na atividade dos nervos pélvicos. Regiões da bexiga inervadas pelos nervos pélvicos sofreram contrações quando estimulados e, inversamente a inibição nervosa ocasionou relaxamento vesical. Vários neurotransmissores e neuromodulares são encontrados no NTS e RVL, entre os quais se encontra a acetilcolina, que desempenha importante função na regulação cardiovascular. No NTS, a acetilcolina produz hipotensão e bradicardia, efeitos estes dependentes da ativação de receptores muscarínicos. Todavia, ao contrário do NTS, microinjeções de agonistas colinérgicos no RVL promovem resposta pressora e o receptor envolvido na resposta induzida pela acetilcolina no RVL é especificamente do subtipo muscarínico (M2) e se apresenta em alta densidade no RVL. Considerando-se que a acetilcolina representa um importante neurotransmissor presente em áreas bulbares como o NTS e RVL e evidências indicam que áreas envolvidas na regulação cardiovascular possivelmente poderiam exercer influências no controle da função vesical, nosso grupo passou a avaliar a importância da neurotransmissão colinérgica de neurônios bulbares na regulação da bexiga urinária. Os resultados prévios do nosso laboratório sugeriram que a injeção de carbacol no 4º V produz efeitos diferenciados na pressão intravesical antes e após a ligadura dos ureteres e estes efeitos independem de alterações no fluxo sanguíneo renal e pressão arterial. O bloqueio colinérgico no 4o V também produziu efeitos diferenciados na pressão intravesical antes e após a ligadura dos ureteres, que mostraram também ser independentes de alterações no fluxo sanguíneo renal e filtração glomerular. Diante dos efeitos diferenciados do carbacol no 4º V cerebral antes e após a ligadura dos ureteres, foi levantada a hipótese de que a ativação dos neurônios colinérgicos bulbares poderia levar à liberação de algum fator humoral que, ao se lançado na circulação, poderia vir a atuar diretamente sobre o músculo detrusor. Até o momento, não existem evidências de que a liberação de vasopressina ou ocitocina pelos neurônios do SON ou PVN poderia ser influenciada por neurônios colinérgicos bulbares. Assim, torna-se interessante verificar se os neurônios colinérgicos bulbares exerceriam seus efeitos sobre a bexiga urinária por meio da liberação de vasopressina ou ocitocina. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CAFARCHIO, EDUARDO M.; DA SILVA, LUIZ A.; AURESCO, LUCIANA C.; RODART, ITATIANA F.; DE SOUZA, JANAINA S.; ANTONIO, BRUNO B.; VENANCIO, DANIEL P.; MAIFRINO, LAURA B. M.; MACIEL, RUI M. B.; GIANNOCCO, GISELE; ARONSSON, PATRIK; SATO, MONICA A. Oxytocin Reduces Intravesical Pressure in Anesthetized Female Rats: Action on Oxytocin Receptors of the Urinary Bladder. FRONTIERS IN PHYSIOLOGY, v. 11, MAY 6 2020. Citações Web of Science: 0.
CAFARCHIO, EDUARDO M.; AURESCO, LUCIANA C.; DA SILVA, LUIZ A.; RODART, ITATIANA F.; DO VALE, BARBARA; DE SOUZA, JANAINA S.; ANTONIO, BRUNO B.; VENANCIO, DANIEL P.; GIANNOCCO, GISELE; ARONSSON, PATRIK; SATO, MONICA A. Unravelling the intravenous and in situ vasopressin effects on the urinary bladder in anesthetized female rats: More than one vasopressin receptor subtype involved?. European Journal of Pharmacology, v. 834, p. 109-117, SEP 5 2018. Citações Web of Science: 2.
CAFARCHIO, EDUARDO M.; DA SILVA, LUIZ A.; AURESCO, LUCIANA C.; OGIHARA, CRISTIANA A.; ALMEIDA, ROBERTO L.; GIANNOCCO, GISELE; LUZ, MARIA C. B.; FONSECA, FERNANDO L. A.; SATO, MONICA A. Cholinergic activation of neurons in the medulla oblongata changes urinary bladder activity by plasma vasopressin release in female rats. European Journal of Pharmacology, v. 776, p. 116-123, APR 5 2016. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.