Busca avançada
Ano de início
Entree

O bairro da Mooca: revitalização urbana, segregação sócio-espacial e memória social

Processo: 13/18084-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2013 - 31 de outubro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Sociologia Urbana
Pesquisador responsável:Verônica Sales Pereira
Beneficiário:Verônica Sales Pereira
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Bauru. Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Espaço urbano  Memória social  Patrimônio cultural  Reciclagem urbana  Gentrificação 

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar as relações entre renovação urbana, segregação sócio-espacial e memória social, numa área desindustrializada, localizada entre o "centro" e a "periferia" da cidade: o bairro da Mooca. Um dos primeiros territórios da modernidade industrial da cidade, na passagem do final do século XIX para o início do século XX, este bairro foi objeto, nas últimas duas décadas, de dinâmicas urbanas que têm como fim a retomada de seu passado - seu urbanismo e arquitetura abandonados ou arruinados, assim como suas manifestações culturais ligadas à sua formação étnica e nacional e operária - por meio de projetos de revitalização e preservação, implementados pelo Estado, pelo mercado, pela sociedade civil e por órgãos multilaterais. Buscamos compreender os significados destas práticas e discursos destes diferentes sujeitos na ocupação destas antigas áreas, seja para habitação, consumo ou lazer; abordar como o passado é apropriado e "gerido" nestas formas de ocupação e cristalizados em patrimônio material e imaterial, bem como a sua relação com a memória social; compreender como estas formas de ocupação e apropriação do passado criam novas formas de segregação sócio-espacial e/ou reproduzem as antigas e em que medida elas estão ligadas ao chamado processo de enobrecimento urbano. Finalmente, como estas conflituosidades constitutivas do espaço urbano e suas formas de negociação constituem uma esfera pública política democrática (ou não). (AU)