Busca avançada
Ano de início
Entree

Isolamento e caracterização de populações homogêneas de células mesenquimais indiferenciadas do ligamento periodontal de humanos que apresentam alto potencial osteoblástico/cementoblástico

Processo: 13/08919-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2013 - 31 de maio de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Periodontia
Pesquisador responsável:Karina Gonzales Silvério Ruiz
Beneficiário:Karina Gonzales Silvério Ruiz
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba , SP, Brasil
Pesq. associados:Francisco Humberto Nociti Junior ; Luciane Martins
Assunto(s):Células-tronco mesenquimais  Ligamento periodontal  Osteoblastos  Diferenciação celular  Células clonais  Expressão gênica 

Resumo

Estudos realizados com o objetivo de avaliar o potencial das células progenitoras mesenquimais do ligamento periodontal na regeneração dos tecidos periodontais de suporte tem mostrado que, essas populações são altamente heterogêneas, não havendo um fenótipo celular definido como o mais favorável para esse processo regenerativo. Considerando a neoformação do cemento radicular um processo crucial para a restauração do tecido conjuntivo de suporte dos dentes acometidos pela doença periodontal, o presente estudo tem como objetivo isolar populações homogêneas de células mesenquimais indiferenciadas que apresentam alto potencial para diferenciação osteoblástica / cementoblástica e delinear suas características fenotípicas e funcionais. Utilizando-se a técnica do cilindro de clonagem, clones celulares (populações homogêneas) serão isolados a partir de três populações de células mesenquimias indiferenciadas do ligamento periodontal e caracterizados quanto: a) potencial para diferenciação osteoblástica/cementoblástica (ensaio de von Kossa, alizarina "red" e expressão dos genes para RUNX2, ALP e OCN); b) capacidade de diferenciação em células semelhantes a adipócitos (expressão dos genes para PPARgama2 e LPL, e coloração para oil red O); c) capacidade proliferativa (ensaio de MTS); d) expressão da proteína STRO-1 pela imunofluorescência; e) identificação de marcadores de superfície que são diferencialmente expressos pelos clones que adquirem ou não fenótipo osteoblástico/cementoblástico, e que sofrem modulação durante esse processo de diferenciação (expressão gênica - técnica do RNAseq; expressão de proteínas - análise pela espectometria de massa). Uma vez identificados esses marcadores de superfície, ensaios serão realizados para tentar estabelecer o padrão de sinalização pela qual esses marcadores regulam o processo de diferenciação osteoblástica/cementoblástica. (AU)