Busca avançada
Ano de início
Entree

Dispositivo para medida de fluxo de hidrogênio atômico em materiais expostos a meios corrosivos

Processo: 04/09110-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de julho de 2005 - 30 de abril de 2006
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Metalurgia de Transformação
Pesquisador responsável:Jose Roberto Pereira Rodrigues
Beneficiário:Jose Roberto Pereira Rodrigues
Empresa:Ipech Integração e Processos Tecnológicos Ltda
Município: Campinas
Bolsa(s) vinculada(s):05/54454-6 - Dispositivo para medida de fluxo do hidrogênio atômico em materiais expostos a meios corrosivos, BP.PIPE
Assunto(s):Corrosão  Hidrogênio  Impedância elétrica  Indústrias  Refinarias  Petróleo 

Resumo

Um dos grandes problemas encontrados em indústrias de processo, é o da deterioração em aços com os quais são construídos os vasos e as tubulações das unidades do processo. A maior incidência desta deterioração está localizada nas unidades de transferência de calor e/ou processos químicos. Esta deterioração está relacionada a mecanismos envolvendo a penetração de hidrogênio no aço e corrosão sob tensão. Mesmo em pequenas quantidades o hidrogênio pode alterar significativamente as propriedades mecânicas do material além de poder provocar o surgimento de microfissuras. O aparecimento do hidrogênio em metais durante operações normais de serviço tem origem nas reações de corrosão ou inerentes ao próprio processo. O objetivo geral do projeto é o desenvolvimento de um sensor de hidrogênio baseado em medidas de impedância eletroquímica que possa ser utilizado em processos industriais para monitoramento dos índices de corrosão e dos níveis de hidrogênio eventualmente produzido no processo. A primeira fase do projeto tem por objetivo o estudo de viabilidade técnico-comercial de um dispositivo para detecção do hidrogênio atômico baseado em resultados obtidos a nível laboratorial pelo Laboratório de Estudos de Corrosão e Desenvolvimento de Revestimentos em conjunto com o Laboratório de Hidrogênio, ambos da UNICAMP. A viabilidade técnica será confirmada mediante ensaios de laboratório que simulem as condições reais do processo e ensaios de campo de condições reais utilizando os equipamentos laboratoriais. Serão levantadas informações de padronização e estudo preliminar de funcionalidades principais do dispositivo. Avaliação técnica das dificuldades operacionais e construtivas bem como estimativa de preço final do produto, objetivando uma avaliação quantitativa do potencial comercial do sensor após desenvolvido. O resultado da primeira fase será um projeto conceitual e seu respectivo ante-projeto. Na segunda fase será elaborado o projeto, construído o protótipo e serão realizados testes em campo. Será determinado o custo real de produção do dispositivo bem como o impacto no consumidor final. (AU)