Busca avançada
Ano de início
Entree

Entendimento das causas dos vieses que determinam o início da estação chuvosa na Amazônia nos modelos climáticos usando observações do GoAmazon e CHUVA

Processo: 13/50538-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2014 - 31 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Meteorologia
Convênio/Acordo: Pesquisa Colaborativa GOAmazon
Pesquisador responsável:Jose Antonio Marengo Orsini
Beneficiário:Jose Antonio Marengo Orsini
Pesq. responsável no exterior: Rong Fu
Instituição no exterior: University of Texas at Austin (UT), Estados Unidos
Instituição-sede: Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Nacionais (CEMADEN). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). Cachoeira Paulista, SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):15/11353-7 - Integração de dados GO Amazon e chuva em experimentos de modelagem utilizando o modelo regional ETA e modelos BESM globais para estudar início da estação chuvosa na Amazônia: avaliações de viés, BP.TT
Assunto(s):Amazônia  Chuva  Secas  Gases do efeito estufa  Modelos meteorológicos 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/science_of_the_amazon_18_44_45.pdf

Resumo

O início da estação chuvosa na Amazônia apresente uma grande variabilidade espacial e temporal, e também um forte impacto na variabilidade da distribuição de aerossóis, funcionamento de ecossistemas, duração estação seca, fogo e fluxos de carbono, agricultura e geração de energia hidroelétrica. Mudanças na duração da estação seca e uma intensificação da resiliência da estação seca devido a fertilização do CO2 são dois fatores importantes de mudança climática e na determinação do Amazon die back o colapso da floresta Amazônica a meados do Século XXI. Duas grandes secas tem acontecido na Amazônia durante os últimos 20 anos (2005 e 2010) e a duração da estação seca tem aumentado pelo menos um mês. Porém, avaliações dos modelos climáticos do CMIP3 e CMIP5 sugerem que muitos destes modelos subestimam a variabilidade observada do início da estação chuvosa e consequentemente na duração da estação seca, e projetam virtualmente não mudanças nessas variáveis quando os modelos são forçados com uma forçante intensa de gases de efeito estufa no cenário de emissões RCP8.5. Porque os modelos subestimam a variabilidade do início da estação chuvosa, e ser que esse viés pode dar lugar a uma subestimativa da sensibilidade climática da duração da estação seca devido a forçante radiativa antropogênica? isso ainda permanece pouco conhecido. Esta proposta está dirigida a explorar o uso das medições a ser fornecidas pelos experimentos de campo GoAmazon e CHUVA, juntamente com o uso de modelos climáticos globais e regionais, para explicar os processos que contribui na subestimativa da variabilidade modelada do início da estação seca, com foco nos modelos WRF e CESM usados por investigadores de USA, e do modelos Eta e BESM (Brazilian Earth System Model) usados pelos parceiros brasileiros do INPE. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Estudo investiga atraso da estação chuvosa na Amazônia 
Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio:
Danse de la pluie 
Dança da chuva