Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação, caracterização das oxacilinases e tipagem molecular de isolados clínicos do complexo Acinetobacter calcoaceticus-A baumannii do Estado de São Paulo

Processo: 13/12055-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 31 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Carlos Henrique Camargo
Beneficiário:Carlos Henrique Camargo
Instituição-sede: Instituto Adolfo Lutz (IAL). Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Doroti de Oliveira Garcia ; Eliete Caló Romero ; Luis Fernando dos Santos
Assunto(s):Bacteriologia  Acinetobacter  Infecção hospitalar  Resistência microbiana a medicamentos  Oxacilinases  Epidemiologia molecular  Técnicas de tipagem bacteriana  Tipagem de sequências multilocus  Eletroforese em gel de campo pulsado 

Resumo

As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) constituem um importante problema com impacto nas taxas de morbidade, mortalidade e custos associados aos cuidados ao paciente. Um dos agentes mais importantes nas IRAS são espécies do gênero Acinetobacter, particularmente aquelas incluídas no denominado Complexo Acinetobacter calcoaceticus-A. baumannii (ACB). Estes patógenos apresentam extraordinária resiliência e diversificados mecanismos de resistência aos antimicrobianos, que os favorecem para persistência no ambiente hospitalar. Registra-se na literatura nacional e mundial um aumento expressivo nas taxas de Acinetobacter com resistência aos antimicrobianos, inclusive aos antimicrobianos carbapênemicos, uma das últimas classes antimicrobianas com atividade satisfatória para combate às infecções por este agente. Tal resistência é mediada principalmente por enzimas da classe D de Ambler, denominadas de oxacilinases, que, atualmente, apresentam-se com mais de 150 variantes. Uma alternativa ao tratamento das infecções por ACB é a polimixina B, cuja atividade ainda apresenta-se preservada, apesar de relatos esporádicos de resistência, o que suscita o monitoramento deste perfil de susceptibilidade. A definição da origem das cepas circulantes pode ser entendida como um requisito para tomada de medidas para o controle e contenção da disseminação de bactérias resistentes aos antimicrobianos. A utilização de técnicas moleculares, como a tipagem por eletroforese em campo pulsátil, ou ainda, a caracterização da ancestralidade, por análise de multilocus sequence typing, constituem ferramentas importantes para o monitoramento e para a investigação epidemiológica. Desta maneira, o intuito deste projeto é caracterizar as cepas de ACB contemporâneos circulantes em diferentes hospitais do estado de São Paulo, por meio da identificação de espécies, determinação do perfil de sensibilidade e análise dos perfis de clonalidade e ancestralidade. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DE VASCONCELLOS, FRANCIELLI MAHNIC; TIBA-CASAS, MONIQUE RIBEIRO; BRISOLLA TAVARES, LAIS CALISSI; DE SOUZA, WILLIAM VAZ; GARCIA, DOROTI DE OLIVEIRA; CAMARGO, CARLOS HENRIQUE. Evaluation of a new trilocus sequence-based multiplex-PCR to detect major Acinetobacter baumannii clonal complexes circulating in Brazil. INFECTION GENETICS AND EVOLUTION, v. 54, p. 4-6, OCT 2017. Citações Web of Science: 6.
CAMARGO, CARLOS HENRIQUE; TIBA, MONIQUE RIBEIRO; SAES, MARTA REGINA; DE VASCONCELLOS, FRANCIELLI MAHNIC; DOS SANTOS, LUIS FERNANDO; ROMERO, ELIETE CALO; GARCIA, DOROTI DE OLIVEIRA. Population Structure Analysis of Carbapenem-Resistant Acinetobacter baumannii Clinical Isolates from Brazil Reveals Predominance of Clonal Complexes 1, 15, and 79. Antimicrobial Agents and Chemotherapy, v. 60, n. 4, p. 2545-2547, APR 2016. Citações Web of Science: 14.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.