Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do Hibiscus sabdariffa na função renal, perfil eletrolítico e análise do transcriptoma renal: modelo experimental de obesidade em ratos

Processo: 12/25349-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2014 - 31 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Alessandra Melchert
Beneficiário:Alessandra Melchert
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:João Pessoa Araújo Junior ; Luiz Henrique de Araújo Machado ; Maria Lucia Gomes Lourenço ; Noeme Sousa Rocha ; Priscylla Tatiana Chalfun Guimaraes-Okamoto
Assunto(s):Nefrologia  Função renal de animal  Hibiscus  Obesidade  Eletrólitos  Ratos  Transcriptoma  Análise de sequência de RNA 

Resumo

Este estudo objetiva avaliar os efeitos da suplementação do Hibiscus sabdariffa sobre as alterações renais provocadas pela obesidade, em ratos Wistar com obesidade induzida por dieta palatável hiperlipídica (DPH). Serão utilizados 48 ratos Wistar, machos, alocados em quatro grupos (n=12): grupo controle (GC) - animais alimentados com ração comercial para ratos e ingestão de água ad libitum; grupo controle + hibisco (GCH) - animais alimentados com dieta comercial para ratos e ingestão de hibisco em solução aquosa ad libitum; grupo obeso (GO) - animais alimentados com DPH e ingestão de água ad libitum; grupo obeso + hibisco (GOH) - animais alimentados com DPH e ingestão de hibisco em solução aquosa ad libitum. Será utilizado extrato seco de hibisco, diluído em água, em concentração que disponibilize ingestão de 100-200 mg/Kg/dia de antocianinas. Os animais receberão as dietas e o hibisco durante 16 semanas. Semanalmente serão pesados, mensalmente avaliados quanto à ingestão alimentar e hídrica e alocados em gaiola metabólica (24 horas) para coleta de urina e determinação de débito urinário, proteínas totais, creatinina, sódio, potássio, cloreto e cálcio urinários. Uma semana antes do término do experimento os animais serão submetidos ao teste de tolerância à glicose. Ao final das 16 semanas, os animais serão anestesiados, colhido sangue para as determinações bioquímicas (uréia, creatinina, sódio, potássio, cloreto, cálcio séricos, triglicérides, colesterol total LDL e HDL) e hormonais (leptina e Insulina). Imediatamente após a constatação do óbito, serão realizadas coleta e pesagem dos rins e gordura retroperitoneal, realizando-se o congelamento do rim direito para análise molecular tecidual, avaliando-se a expressão do transcriptoma renal, pela técnica de transcriptoma shotgun sequencing ou RNA-seq, e análise histopatológica do rim esquerdo para avaliação de membrana glomerular, acúmulo de gordura tubular e fibrose túbulo intersticial. (AU)