Busca avançada
Ano de início
Entree

A vanguarda brasileira:a juventude no discurso da revista da editora do Brasil S/A (1961-1980)

Processo: 13/50930-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de março de 2014 - 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação - Fundamentos da Educação
Pesquisador responsável:Katya Mitsuko Zuquim Braghini
Beneficiário:Katya Mitsuko Zuquim Braghini
Instituição-sede: Faculdade de Educação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Ditadura  Jovens 

Resumo

Este estudo histórico apresenta a imagem que foi construída sobre a juventude nos anos 1960 e 1970 a partir dos artigos produzidos e publicados na Revista da Editora do Brasil S/A (EBSA). Por se apresentar notadamente favorável ao governo autoritário este periódico educacional pode ser considerado como uma espécie de contra-face da juventude que, à época se manifestava de formas variadas. Foi levado em consideração que diante dos manifestos juvenis um projeto de juventude foi organizado pelos editores do periódico possivelmente buscando um ideal de jovem que fosse mais conveniente ao regime instituído pelo golpe militar. Foram selecionados 211 registros de seções variadas relatórios governamentais, leis, artigos de outros veículos de comunicação, comunicados de órgãos variados, colaborações de pesquisadores cujos conteúdos estampavam os termos: juventude, jovens, estudantes, dentro de um lote de 228 edições, todos, organizados por meio de um banco de dados. A base documental foi ampliada levando em consideração outras referências citadas na revista. Para a análise dos discursos foram levados em consideração os trabalhos de Ginzburg sobre o deciframento das fontes. A pesquisa indicou uma aversão à rebeldia e à mobilização estudantil; um medo generalizado pela tomada de espaços e ritos dos adultos pelos jovens; um plano de saneamento da juventude e uma idealização do jovem que seria conveniente muito mais como modelo para os jovens desmobilizados do que para o ajustamento daqueles que se manifestaram de formas inadequadas. (AU)