Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da fração bioacessível e da biodisponibilidade de nutrientes e contaminantes em hortaliças

Resumo

O presente projeto tem por objetivo estudar a bioacessibilidade e a biodisponibilidade de nutrientes e contaminantes em vegetais, como alface, repolho, couve, etc. Para isso, a partir da quantificação do teor total de Cd, Fe, Pb e Zn, presentes em diferentes tipos de vegetais, serão utilizadas células do tipo Caco-2, que são células epiteliais extraídas do cólon humano localizado no intestino delgado, para predizer in vitro a absorção pelo organismo humano (biodisponibilidade), dos nutrientes presentes nas amostras. Estudos de biodisponibilidade empregando o modelo celular são bastante usados internacionalmente, enquanto no Brasil este modelo é utilizado para a determinação da fração biodisponível referente aos componentes orgânicos nos alimentos, não sendo relatados estudos relacionados à determinação da fração biodisponível referente a seus componentes inorgânicos. Para os estudos de bioacessibilidade in vitro serão utilizadas enzimas para simular o processo de digestão gastrointestinal. Em seguida, o digerido resultante será submetido ao estudo de biodisponibilidade com as células Caco-2. A quantificação dos analitos nas frações bioacessível e biodisponível será feita por espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado, ICP OES, e/ou espectrometria de absorção atômica em forno de grafite, GF AAS, dependo do nível de concentração do elemento nas referidas porções analisadas. Se disponível, a técnica de ICP-MS também poderá ser usada. Ao final deste projeto, espera-se contribuir para o conhecimento mais completo do valor nutricional de hortaliças como alface e couve, usualmente utilizados na dieta do brasileiro, uma vez que a efetiva absorção desses nutrientes pelo organismo será determinada. (AU)

Publicações científicas (5)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DA SILVA, EMANUELI DO NASCIMENTO; CADORE, SOLANGE. Bioavailability Assessment of Copper, Iron, Manganese, Molybdenum, Selenium, and Zinc from Selenium-Enriched Lettuce. Journal of Food Science, v. 84, n. 10, p. 2840-2846, OCT 2019. Citações Web of Science: 0.
DA SILVA, EMANUELI DO NASCIMENTO; DE FARIAS, LETICIA ONOFRE; CADORE, SOLANGE. The total concentration and bioaccessible fraction of nutrients in purees, instant cereals and infant formulas by ICP OES: A study of Dietary Recommended Intakes and the importance of using a standardized in vitro digestion method. Journal of Food Composition and Analysis, v. 68, n. SI, p. 65-72, MAY 2018. Citações Web of Science: 4.
DA SILVA, EMANUELI DO NASCIMENTO; CIDADE, MIRLA; HEERDT, GABRIEL; RIBESSI, RAFAEL L.; MORGON, NELSON H.; CADORE, SOLANGE. Effect of Selenite and Selenate Application on Mineral Composition of Lettuce Plants Cultivated Under Hydroponic Conditions: Nutritional Balance Overview Using a Multifaceted Study. Journal of the Brazilian Chemical Society, v. 29, n. 2, p. 371-379, FEB 2018. Citações Web of Science: 5.
DA SILVA, EMANUELI DO NASCIMENTO; AURELI, FEDERICA; D'AMATO, MARILENA; RAGGI, ANDREA; CADORE, SOLANGE; CUBADDA, FRANCESCO. Selenium Bioaccessibility and Speciation in Selenium-Enriched Lettuce: Investigation of the Selenocompounds Liberated after in Vitro Simulated Human Digestion Using Two-Dimensional HPLC-ICP-MS. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 65, n. 14, p. 3031-3038, APR 12 2017. Citações Web of Science: 15.
DA SILVA, EMANUELI DO NASCIMENTO; HEERDT, GABRIEL; CIDADE, MIRLA; PEREIRA, CATARINIE DINIZ; MORGON, NELSON HENRIQUE; CADORE, SOLANGE. Use of in vitro digestion method and theoretical calculations to evaluate the bioaccessibility of Al, Cd, Fe and Zn in lettuce and cole by inductively coupled plasma mass spectrometry. Microchemical Journal, v. 119, p. 152-158, MAR 2015. Citações Web of Science: 21.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.