Busca avançada
Ano de início
Entree

Bothrops jararaca venom metalloproteinases are essential for coagulopathy and increase plasma tissue factor levels during envenomation

Processo: 14/05154-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de abril de 2014 - 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Marcelo Larami Santoro
Beneficiário:Marcelo Larami Santoro
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Plaquetas sanguíneas  Bothrops  Coagulação  Venenos 

Resumo

Introdução/Objetivos: Distúrbios hemorrágicos, coagulopatia e alterações plaquetárias são manifestações recorrentes em acidentes ofídicos. Nós raciocinamos que ao lesar tecidos e/ou ativar células no local da picada e sistemicamente, as toxinas presentes em veneno de serpentes poderiam liberar ou desencriptar o fator tecidual (TF), resultando na ativação da coagulação sanguínea e agravamento da tendência hemorrágica. Assim, nós estudamos se o TF e a isomerase de dissulfeto proteico (PDI), uma oxirredutase envolvida na encriptação/desencriptação do TF, estavam alterados no envenenamento experimental ofídico, assim como o envolvimento e a importância de metaloproteinases de venenos de serpentes (SMVP) e serinaproteinases (SVSP) para os distúrbios hemostáticos.Métodos/Principais Achados: O veneno total de Bothrops jararaca (VBj) foi pré-incubado com Na2-EDTA ou AEBSF, que são inibidores de SMVP e SVSP, respectivamente, e injetado subcutaneamente ou intravenosamente em ratos para avaliar a contribuição de lesão local para o desenvolvimento de distúrbios hemostáticos. Amostras de sangue, pulmão e pele foram recolhidas e analisadas em 3 e 6 h. As contagens de plaquetas se reduziram intensamente nos ratos, porém nem o Na2-EDTA nem o AEBSF puderam efetivamente bloquear esta queda. No entanto, o Na2-EDTA inibiu intensamente o consumo de fibrinogênio no plasma e a hemorragia no local da inoculação do BjV. O Na2-EDTA também aboliu o aumento acentuado dos níveis de TF no plasma em 3 e 6 h, por ambas as vias de administração. Além disso, observou-se um aumento da atividade de TF em amostras teciduais de pulmão e pele em 6 h. No entanto, os níveis de factor VII não diminuíram ao longo do tempo. A expressão de PDI na pele estava normal em 3 h e reduzida em 6 h em todos os grupos tratados com BjV. Conclusões: As SMVP induzem coagulopatia, hemorragia e aumento dos níveis de TF no plasma, mas as SMVP e as SVSP não estão diretamente envolvidas na plaquetopenia. Altos níveis de TF no plasma e a desencriptação do TF são observados durante o envenenamento por serpentes, semelhantemente ao que ocorre na verdadeira síndrome de coagulação intravascular disseminada, e podem estar relacionados à geração de manifestações hemorrágicas em pacientes gravemente envenenados. (AU)